Cada um de nós tem uma chave para a sabedoria universal dentro de si. Abrindo o coração, entrando no silêncio, podemos aceder ao conhecimento que o vento murmura.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

amor, apego e aceitação

Os Mestres ensinam que o Amor Incondicional é meio para a cessação do sofrimento - e que o apego, por sua vez, é fonte de sofrimento, contrariando o desejo de felicidade.
O que todos os seres humanos parecem ter em comum, é o desejo de amar e ser amado. Faz parte da sua procura da felicidade e é motivo para muitos dos esforços que ao longo da vida se vão fazendo para ser livre de dor.
"Amor" é uma palavra grande e poderosa, com um significado ainda maior e mais poderosa. Parece-me que todos reconhecem o sentimento - e sabemos como nos sentimos bem, quando vivemos um amor sem segundas intenções, livre e aberto. O Amor nasce ao lado da Compaixão e ambos os sentimentos caracterizam-se pelo desejo subjacente que o outro possa ser feliz, e satisfaz-se por ver que o outro fica melhor.
É a capacidade de dar, de partilhar, sem esperar nada em troco... e quem já experimentou, talvez se lembra de sentir o fluxo energético para fora, transbordando do coração como se fosse um rio que percorre o nosso sistema. Um rio cuja fonte não seca, que nos preencha com o mesmo Amor, enquanto o deixamos fluir para o outro.

Ao qualificar o Amor e Compaixão como incondicional, sabemos que está dirigido para o Outro unicamente porque desejamos que o sofrimento do outro cessa, que o outro seja feliz. O conceito "incondicional" implica uma aceitação completa do outro, um entendimento profundo... implica que "ves" e "ouves" o outro, tal e qual como é.

Mesmo sabendo disso, parecemos muitas vezes incapazes de pôr isso em prática. Tantas vezes acontece que numa relação supostamente baseada no amor (com o(a) parceiro(a), com os pais, com os filhos, com os amigos) achamos que eles são a causa da nossa infelicidade, que nos devem o seu contributo para a nossa felicidade. Tantas vezes acontece que queremos esforçar o outro num comportamento que nos agrada - ou que adaptamos o nosso proprio comportamento para agradar o outro. E será que Amor incondicional é o mesmo que querer agradar, aterar quem somos em função do outro, ou satisfazer todos os desejos do outro?

O Amor incondicional, em que se aceita e respeita o outro tal e qual como é, não é sinónimo de um amor condescendente. Não é passivo - não anula o respeito que devemos ter por nós próprios. Não anula o nosso direito de sermos quem nós próprios somos. Podemos dizer até o contrário: Amor incondicional só é possível dar, se o sentimos para nós também. Se tivemos perante nós próprios a mesma atitude de procurar a cessação de sofrimento, se procuramos libertar-nos das causas de mal-estar e das aflições emocionais.


The ultimate lesson all of us have to learn is unconditional love, which includes not only others, but ourselves as well"  Elisabeth Kubler-Ross

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...