Cada um de nós tem uma chave para a sabedoria universal dentro de si. Abrindo o coração, entrando no silêncio, podemos aceder ao conhecimento que o vento murmura.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Motivos de preparação para o Natal, a festa da Luz...

Todos os anos, por esta altura, faz-se a mesma pergunta aos mais novos : Portaste bem este ano, para poderes receber presentes?
Será isso a que foi reduzido o Natal? É isso que transmitimos aos mais novos como a essência da festa?
Estamos já tão longe dos ritmos da natureza, que mal lembramos porque o ser humano acende fogueiras no inverno e decora árvores... a historia contada pela igreja não consegue tocar a todos; os mitos são histórias do passsado; e o que o capitalismo cultivou, provoca náuseas a muitos.
Muitos procuram dar significado a uma festa que sabemos de partilha e de convívio - e a procura leva invariavelmente para as raízes que se perdem na história, numa altura em que o Ser Humano ainda não se tinha alienado da Mãe Natureza.

Uma das festas mais importantes para os povos antigos era celebrada pela altura do Solstício do Inverno. Começava no Solstício, no 21 de Dezembro, com o dia mais curto e a noite mais longa do ano. A partir do dia 21, o Sol não prossegue mais para o Sul, e os dias não se encurtam mais. A partir do terceiro dia, o curso do Sol vira-se novamente para o Norte e os dias começam a aumentar. É nessa noite, de 24 de Dezembro, que celebramos a Noite de Natal... noite em que a Luz Divina nasce novamente para iluminar a todos.
Ao Natal segue-se um período de 12 dias e noites - até 6 de Janeiro - em que todas as noites podemos receber um sonho...em cada uma das noites, um sonho sobre cada um dos meses do ano que vem.
São mensagens enviadas pelos Céus, alimento espiritual, uma indicação do ritmo em que vamos poder trabalhar, de acordo com o Grande Plano cósmico. É aconselhavel, neste período, tomar nota dos sonhos que chegas a receber na tua memoria consciente...

A festa da Luz e da Iluminação Divina não está a ser limitada pelo período que agora conhecemos como o Natal. O conjunto de rituais e cerimónias pelos quais o Ser Humano acompanha o ritmo da Natureza, e que tem o seu ponto alto na noite de 24 de Dezembro, começa a 11 de Novembro (São Martinho), em que se festeja as colheitas e as riquezas que a Natureza deu, partilhando o novo vinho. A curva é acendente até ao Natal, em que celebramos o Amor e Luz Divina, oferecendo sinais do nosso apreço aos próximos. E como celebramos também que a Luz é para todos, procuramos fazer o bem aos outros, partilhando a nossa comida. Natal é seguido pelas 12 Noites mágicas, a última das quais celebrada a 6 de Janeiro (dia de Reis). A festa final é no início de Fevereiro em que se celebra que a força da Terra acorda novamente para se juntar ao ritmo do novo ano (dia 2, festa da Nossa Senhora das Candeias!).

Já há muito que estamos a perder o contacto com o significado das festas do Inverno. Começa a ser difícil reconhecer a ligação entre as festas e rituais, porque o ritmo que a nossa cultura quer impor à nossa vida, vai encurtando a visão do conjunto. A focagem está no ponto alto - Natal, ou a passagem do ano - e perdemo-nos nos pormenores destes dias. Consequentemente, os sentimentos que estavam na base da festa, correm o risco de serem corrompidos - deixando espaço para que entram "prazeres" mais carnais e duvidosos que se inclinam para a ganância, a gula, a luxúria. Havendo cada vez menos enquadramento, o significado do dia em si vai se perdendo e a festa em si, vai perdendo a profundidade e intensidade que podia ter.

Muitos sentem que é altura de inverter este caminho e renovar a sua ligação com o ritmo da Natureza. Podemos começar, olhando para trás para a colheita do ano. Vamos preparar o que colhemos, para que se possa conservar - e para que possamos alimentar-nos até a Terra ter aproveitada o seu período de descanso e estar pronto para fornecer alimentos frescos. É importante trabalhar a colheita para a sua boa conservação. Para isso é necessário reconhecer a nossa colheita, saber como lidar com os frutos do nosso trabalho. Qual é a função de cada parte para o nosso bem-estar global?
Eo que temos ainda em armazém, conquistas do passado? Avaliamos se ainda podemos aproveitar de certas partes. Talvez seja melhor para um desenvolvimento saudável e positivo do nosso Ser,  libertar-nos de algo que conservamos, mas que passou o prazo...
Por isso, a preparação para a festa da Luz implica escolhas, que só nós podemos fazer para nós. Se nós não escolhemos, alguém escolha por nós e vai obrigar a um caminho. Ao fazermos escolhas conscientes, o Mundo vai reconhecer nos como sendo livres na nossa acção. Damos forma à nossa consciência, mostramos o que são os nossos objectivos, mostramos quem Somos.

O Advento - que nos vai levar ao Natal - é um periodo de introspecção, dedicado a lembrarmos de onde viemos. Tempo de reconhecer as nossas raízes, para podermos ter uma visão global sobre o caminho que já fizemos. Uma altura de decidir que direcção queremos tomar a seguir, no ano que vem. E essas escolhas, essas decisões preparam o nosso Ser para o Natal, festa da Luz, o acender de uma vela nova que ilumina a nossa árvore de vida.
A festa do (re)nascimento da Luz, o advento de um novo mundo, de uma nova harmonia!

Todos nós somos portadores da Luz, e caminhamos conscientemente, tal como os três Reis Magos fizeram. Os Reis Magos: sábios, iniciados, videntes... que conseguiram ver além das dimensões físicas, que conseguiram ver a Alma Divina como uma estrela. Que viram e seguiram a Estrela do Cristo. Caminhando com eles, podemos receber os 12 sonhos...e com eles, no dia 6 de Janeiro celebramos a festa dos Reis, festa dos três presentes: incenso para fortalecer o espírito, mirra para apoiar o autocontrolo e purificar o sistema nervoso, ouro para o aperfeiçoamento.


Não faltam motivos para dedicar-nos e preparar a mente e a alma para o Natal. Talvez o mais importante é reconhecer a noite e a escuridão em nós próprios, os momentos em que perdemos contacto com a terra por baixo dos pés - quando o Sol já não se parece mover, chegará o nosso nascimento na Luz, na festa que celebramos como o Natal, nascimento do Cristo.
É uma salvação da escuridão que só podemos experimentar no Aqui e Agora - quando estamos em sintonia com o que nos rodeia, livres da pressão do passado e sem expectativas sobre o futuro.
Celebrar o ritmo da Natureza ajuda-nos a reconhecer padrões em nós próprios, renovar a nossa natureza humana, renascer através da Luz....

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Meditações para Dezembro

O Inverno é, por excelência, o período em que nos retiramos - junto da família, ao pé da lareira, dentro do nosso lar... Altura própria para introspecção... o prazer de uma meditação tranquila, olhando para as chamas da fogueira...

Os dias vão encurtando cada vez mais, até à noite do Solstício, que será a mais longa do ano. Chegará a Festa da Luz, em que as fogueiras iluminam a noite à espera que o Sol vira, para que a Luz volta para iluminar o Mundo.
Na nossa cultura festejamos o Natal, o nascimento de Jesus, Filho de Deus. É uma festa de boas-vindas à Luz Divina na Terra, uma oportunidade para abrir o nosso coração e sentir o Amor Universal que flui da Fonte para todos que se dispõem para o receber.

Tradicionalmente, o mês de Dezembro é o mês do Advento - em que prepararmos mente e alma para poder receber a Luz. Avaliamos o ano que se passou; o que contribuimos para a construção do bem-estar, para a harmonia entre todos? Aonde chegámos no nosso caminho? Quem sou, o que tenho para oferecer ao mundo? Agradecemos as bençãos que a Vida nos deu; agradecemos os ensinamentos que recebemos, e oferecemos sinais do nosso apreço e afeição aos nossos próximos. É a altura do ano em que tomamos consciência dos laços que nos unem - não só aos familiares e amigos, mas também a quem sofre, a quem tem necessidades, a quem está só.

Sentindo também a necessidade de me retirar, para introspecção e avaliação do ano que passou, vou limitar as minhas actividades em Dezembro.
Não vou parar completamente:  nos dias 2, 9, 16 e 23 de Dezembro (sempre na quinta-feira às 18.00h no local habitual) os temas acima mencionados serão focados nas meditações.

Na quinta-feira 30 de Dezembro a meditação será na forma de uma sessão de sons. Todas as contribuições desta sessão reverterão para a Assistência Médica Internacional.

Em Janeiro, o horário normal será retomado.
Desejo a todos uma boa caminhada para a Luz.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Meditação da Lua Cheia

No próximo Domingo, 21 de Novembro, celebramos novamente a Lua Cheia. Com o Sol ainda em Scorpião, a preparar-se para entrar em Sagitário, a Lua Cheia vai se encontrar no signo do Touro.

O signo do Scorpião é o signo por excelência que estimula mudança, tanto na vida individual das pessoas como na vida colectiva.
No tempo em que vivemos, somos desafiados,  ao nível individual e colectivo, de deixar os caminhos antigos para aceitar novas energias que nos chegam do Universo. Há um chamamento para renovação, "Time for Change" - mas onde ainda há o antigo, o que é novo não pode entrar. Scorpião traz o poder de puxar para o centro da atenção e da consciência, tudo que é antigo, tudo o que está escondido nos confins da memória, o que nasceu num passado remoto. Falamos de hábitos e atitudes mentais erradas mas enraiazadas, baseadas em emoções destrutivas como inveja, concorrência, medo. Scorpião provoca uma pressão interior pesada, "forçando" uma saída do caminho antigo. É o signo das Grandes Tormentas.
Estas tormentas tem, de resto, a sua origem no nosso interior. Num certo momento começa a crescer um descontentamento com a vida e as circunstâncias em que se vive.  A sensação torna-se tão presente que se começa a sentir uma vontade de irradicar tudo que impede crescimento e expansão - e transformar a energia antiga num modo de vida mais elevada, mais espiritual. Por isso, Scorpião também é o signo das Grandes Vitórias.

Signs of the Zodiac by Josephine Wall: Scorpio
No seu oposto, a Lua Cheia encontrar-se-ia no signo do Touro, convocando-nos para procurar um equilíbrio particular. O Touro traz consigo a capacidade de ver o alvo com clareza e confere eficâcia. O Touro vê - e quando o Olho está aberto, a Luz pode entrar. É o signo do crescimento da Luz da Alma.

Sob a influência do Touro as experiências interiores são directamente reflectidas na vida práctica, estimulando assim uma nova ligação entre a nossa Alma e a nossa Personalidade.... O par Touro-Scorpio pede o tudo-ou-nada numa auto-avaliação honesta, uma revisão de normas e valores, transformação, libertação.... e em consequência disso, a entrega da tua vida ao teu Ser Superior.

A meditação da Lua Cheia terá lugar no Cromeleque dos Almendres, em Guadalupe - Évora, no dia 21 de Novembro, a partir das 17.00h.
É costume para quem queira participar,  trazer uma oferenda ao sítio (um pau de incenso, uma flor, uma pedrinha, um pouco de água, ou o que sentir como adequado).
A contribuição para a ceremónia em si, fica à consideração de cada participante.
Se conhecer pessoas que possam estar interessadas em participar, por favor, encaminha a mensagem.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

É agora que podes fazer o passo e sentir o Amor Incondicional

Há momentos em que nos estendemos para assuntos fora das occupações, trabalhos e esperanças diárias, momentos em que conseguimos ligar-nos à materia prima da vida...

Podemos perder-nos num pôr-de-sol espectacular, e a nossa consciência aumenta, misturando-se com as próprias cores do ceu. Talvez também te acontece, ao ouvir uma melodia, que sentes o teu ser todo a começar sincronizar-se com a vibração dos sons. Quando estás a desenhar, ou cozinhar - e te sentes um com o que estás a fazer, para poder ter o resultado mais harmonioso. Ou quando olhas nos olhos de alguém - e notas que estás a testemunhar o infinito. São momentos em que reconhecemos a nossa propria grandeza, quando tomamos conciência da nossa verdade mais profunda. Momentos em que vamos além da forma física, tocando no amor infinito da harmonia do universo... momentos em que a nossa propria criatividade se manifesta - em que o Divino se mostra.

A nossa imaginação é muitas vezes limitada por rotinas, hábitos, comodismo, tradição. E mesmo quando percebemos algures, através da intuição, que deve haver mais, temos a tendencia de focar-nos na realidade exterior, aquela realidade papável e visível com os olhos físicos, porque estamos mais habituados a ela. Mas há momentos em que conseguimos uma ligação com a nossa consciência mais profunda, a nossa realidade interior, a nossa verdadeira natureza! Estes momentos são muitas vezes provocados por circunstâncias que forçam a nossa atenção para ficar mais focada - um encontro, uma experiência dramatica, um ambiente visual ou auditivo espectacular.

Mas não precisamos de esperar até as circunstâncias nos fornecem os desafios para aumentar ou estimular a nossa consciência. Podemos cultivar a nossa ligação com a vida na sua totalidade, abraçando simplesmente a beleza da nossa essência, mantendo a consciência focada no ritmo do nosso coração. Permitindo o nosso Amor de fluir naturelmente e sem limites, começamos a ter uma experiência do mundo a partir de uma perspectiva conjunta, em que o amor está sempre presente. Quanto mais practicamos, mais fácil se torna. É o Amor Incondicional em acção, e é o que traz significado profundo para a nossa existência.  Os nosso passos, as nossas escolhas, são só nossas. Podemos continuar a viver em reacção a situações originando no exterior... podemos continuar a aceitar condições baseadas em definições estreitas e limitadas pelas experiências do passado. Também podemos libertar o nosso potencial ilimitado, e exprimir esse potencial, deixando que esse Amor Incondicional seja a nossa intenção principal e condutor. Basta ter atenção, curiosidade, e sentir admiração para o mundo e as pessoas a tua volta.


Texto baseado em Harold W. Becker, em: "The Oneness of Love"

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

11-11

Nos últimos tempos, muitos de nós têm passado por uma evolução acentuado. Em conjunto  - aqui em Évora, e com todos que se dispõem de abrir o seu coração para que possa fluir o Amor Universal em benefício de Tudo que É - trabalhámos intensivamente e isso está a contribuir para o aumento da frequência vibratória do planeta. Talvez já sentiste algum sintoma; pode ser que sentes mudanças acentuadas entre cansaço e vitalidade. Isso pode acontecer porque ainda é difícil manter a nova frequencia, mais alta e mais súbtil, e facilmente caimos de volta em padrões ligados à frequencia antiga, mais baixa e mais densa. No entanto, também já deves ter notado que é cada vez mais fácil libertar os padrões antigos e restaurar o nível energético. Já não é a intenção ficar preso a o que foi. Os padrões de comportamento e reacção antigos foram vividos o suficiente para deixá-los para trás. Agora chegou a altura de ser livre, de poder escolher sem cargas emocionais pesadas, escolher um caminho próprio e autentico.
Podes sentir que os sincronismos aumentam, que cada vez mais estás no momento certo no sítio certo, o que dá uma sensação de riqueza, de confiança na vida. Tu fazes parte do destino, a tua vida está a ser assegurada através da tua ligação com a Fonte de Tudo que É.
Todos estamos ligados à Fonte, fazemos parte da Divina Criação. Através da nossa ligação à Fonte de Tudo que É, estamos ligados uns aos outros.
Tudo isso faz parte do processo de transformação da Terra.
As ligações são como uma rede, uma epécie de matriz, uma teia luminosa em que tudo esta em contacto. Com o aumento da consciencia de tantas pessoas, com o aumento da frequencia vibratoria da Terra, a matriz está a ser restaurada e activada, o que estimula os sincronismos.
O que tem acontecido também, é a re-abertura da ligação entre os chakras do plexo solar e do coração, estimulando o fluxo livre da energia do Amor e da Compaixão. Ao mesmo tempo, as linhas de comunicação com as outras dimensões começam a abrir-se, o que em si pode ser um estimulo para te virares mais para dentro, para os teus próprios canais de recepção e envio...

Segundo informação de lados diversos, sabemos que no dia 11-11-2010 um portal cósmico se vai abrir.
Esse portal será um canal directo com nosso Eu Superior,  uma oportunidade de crescimento interior. A energia que vai fluir através do portal, marcará o fim da dualidade e significará a abertura para a Unidade, que é nossa Essência Divina. Será assim uma oportunidade de assumir-te como Ser Humano que És, criado à semelhança de Deus. Em igualdade com todos os outros, livre para amar e ser amado, sem limite, sem condições prévias.
À volta da Terra vão estar pessoas como nós, em meditação e de coração aberto, para sentir a União com Tudo que É.  E a volta da Terra correrá uma onda de Amor, em benifício de todos os seres, sem excepção.
Convide-te para te juntares na meditaçao global que decorrerá a partir do dia 11, e durante 11 dias, à volta do globo. No dia 11-11 estaremos na Associação Oficinas da Comunicação para iniciarmos o ciclo.  Se não tiveres oportunidade de estar fisicamente presente, podes juntar-te em espírito - somos todos UM, independententemente da distância a que nos encontramos!

Cristal do Amor

Durante anos, tive um pedaço de quartz rosa em cima da prateleira sem dar muita atenção a ele. Era cor-de-rosa pálida, uma cor frágil, suave, muito ligado ao meu conceito de "menina". E o meu desejo era ser forte, queria reconhecer-me em cristais de cores fortes, com impacto directo. Não desejava ser vulnerável, porque associava isso com fraqueza.
Assim fui admirando o quartz rosa, mas à distância, sem querer identificar-me com ele, até chegar a um ponto no ciclo da minha vida em que passei por dificuldades que me fizeram sentir mesmo frágil e vulnerável. Estava muito consciente das minhas falhas, dos meus erros, do caminho sem saída que tinha trilhado.
Precisava de sentir uns braços à minha volta, um colo onde pudesse ser acolhida, uma voz que me podia dizer: chora, não faz mal, descanse. Aqui, o quartz rosa começou a apelar e chamar a minha atenção. A cor rosa pálida já não me afligia, já não era uma ameaça à minha força - que de resto, não sentia que tinha.
Comecei a sentir que podia ser mais suave e mais tolerante para mim mesmo - que a auto-critica constante não me atinha ajudada a ver as dificuldades em proporção, mas tinha me levada a considerar-me incapaz e impotente para fazer alterações a minha vida. Era altura de voltar a lembrar-me que também eu mereço o meu amor incondicional.

O quartz rosa emana a vibração da aceitação, do amor incondicional, e apoia-nos quando precisamos de abrir o nosso coração para poder receber Amor Puro. É uma consolação para corações em sofrimento, um lembrete para quando me esqueço que é fundamental saber sentir, e que para isso é necessário aceitar a vulnerabilidade, os pontos difíceis.
Quartz rosa apoia o chakra do coração em abrir-se para todas as formas de Amor - incluindo para a beleza e a serenidade. Abrindo o coração para o Amor, a auto-confiança aumenta, bem como o auto-conhecimento, auto-estima e consciencia de ti. Assim, ajuda ultrapassar medos, preoccupações e tristezas ou situações de stress.
A energia do quartz rosa é suave, consolador, e dá conforto, pelo que te sentes suficientemente seguro e amado, para poder exprimir as tuas emoções.

Quando te sentes triste, inseguro, só ou não amado; quando sentes que não tens a capacidade de te dar o amor que precisas, ou quando notas que estás prestas a afogar-te em auto-comiseração, podes pedir apoio a Quartz Rosa... segurando na mão ou pondo no chakra do coração...sentindo como o Amor (do cristal) começa a fluir na tua direcção.... 

amor, apego e aceitação

Os Mestres ensinam que o Amor Incondicional é meio para a cessação do sofrimento - e que o apego, por sua vez, é fonte de sofrimento, contrariando o desejo de felicidade.
O que todos os seres humanos parecem ter em comum, é o desejo de amar e ser amado. Faz parte da sua procura da felicidade e é motivo para muitos dos esforços que ao longo da vida se vão fazendo para ser livre de dor.
"Amor" é uma palavra grande e poderosa, com um significado ainda maior e mais poderosa. Parece-me que todos reconhecem o sentimento - e sabemos como nos sentimos bem, quando vivemos um amor sem segundas intenções, livre e aberto. O Amor nasce ao lado da Compaixão e ambos os sentimentos caracterizam-se pelo desejo subjacente que o outro possa ser feliz, e satisfaz-se por ver que o outro fica melhor.
É a capacidade de dar, de partilhar, sem esperar nada em troco... e quem já experimentou, talvez se lembra de sentir o fluxo energético para fora, transbordando do coração como se fosse um rio que percorre o nosso sistema. Um rio cuja fonte não seca, que nos preencha com o mesmo Amor, enquanto o deixamos fluir para o outro.

Ao qualificar o Amor e Compaixão como incondicional, sabemos que está dirigido para o Outro unicamente porque desejamos que o sofrimento do outro cessa, que o outro seja feliz. O conceito "incondicional" implica uma aceitação completa do outro, um entendimento profundo... implica que "ves" e "ouves" o outro, tal e qual como é.

Mesmo sabendo disso, parecemos muitas vezes incapazes de pôr isso em prática. Tantas vezes acontece que numa relação supostamente baseada no amor (com o(a) parceiro(a), com os pais, com os filhos, com os amigos) achamos que eles são a causa da nossa infelicidade, que nos devem o seu contributo para a nossa felicidade. Tantas vezes acontece que queremos esforçar o outro num comportamento que nos agrada - ou que adaptamos o nosso proprio comportamento para agradar o outro. E será que Amor incondicional é o mesmo que querer agradar, aterar quem somos em função do outro, ou satisfazer todos os desejos do outro?

O Amor incondicional, em que se aceita e respeita o outro tal e qual como é, não é sinónimo de um amor condescendente. Não é passivo - não anula o respeito que devemos ter por nós próprios. Não anula o nosso direito de sermos quem nós próprios somos. Podemos dizer até o contrário: Amor incondicional só é possível dar, se o sentimos para nós também. Se tivemos perante nós próprios a mesma atitude de procurar a cessação de sofrimento, se procuramos libertar-nos das causas de mal-estar e das aflições emocionais.


The ultimate lesson all of us have to learn is unconditional love, which includes not only others, but ourselves as well"  Elisabeth Kubler-Ross

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Em que medida o nosso amor é incondicional?

A Conversa em Grupo do dia 15 de Novembro vai ser dedicada ao tema "Amor ou Apego" - um assunto a que voltamos vezes sem fim, numa procura constante para a felicidade duradoura.

Amor incondicional.
Este amor que tudo abrange, que se oferece... sem limites ou condições, sem olhar para ti. Muitas vezes falamos nisso - mas como lidamos com o amor na nossa vida?
Podemos sentir amor para o(a) nosso(a) parceiro(a) - mas em que medida este amor é incondicional?
Falamos em amor para os nossos pais - mas quantas vezes o é?
Mesmo o amor que sentimos para os nossos filhos pode surgir mistura com necessidade e dependência.
Quando analisado mais de perto, Amor puro é muitaz vezes confundido com o apego - em que o outro na realidade funciona como complemento de nós, preenchendo um vazio afectivo ou emocional com que deixamos de lidar. Para sentir a felicidade, a pessoa de outro lado torna-se indispensável... o seu apoio, a sua presença, a apreciação e reconhecimento que recebes... tudo isso é uma afirmação de ti como pessoa. É o Ego, que subtilmente está a chamar a atenção sobre si.
Será que é justo perante o outro e perante ti próprio, amar assim? O teu amor é um fluxo energético, e quanto mais flui, tanto mais recebes do que flui através de ti. Mas se o teu amor no fundo é condicional, quandohá segundas intenções, como funciona? Quem beneficia do fluxo energético?
O apego surge quando as nossas acções são motivadas por necessidades emocionais, por motivos egoistas, condicionado pelas experiências do passado e por expectativas acerca do futuro.
Para poder analisar a nossa capacidade de amar, precisamos de confrontar-nos com as nossas necessidades emocionais (que dizem respeito a não querer ficar magoada, traída, abandonada, por exemplo.) Confrontar-nos com os nossos medos: de não ser capaz, de ficar sozinha, de não sentir realização pessoal. A partir daí: perceber como aconteceu este condicionamento: sendo necessidades emocionais, dizem respeito a acontecimentos que ocorreram nesta vida em específico. Percebendo isso, podemos abrir mão deste condicionamento – e começar a Amar sem expectativas, sem preconceitos, livremente.


As Conversas em Grupo visam o intercâmbio de experiências, um espaço para perguntas e respostas, sobre um assunto que todos encontramos diariamente no nosso caminho.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Somos todos UM

Um vídeo que faz pensar sobre a nossa condição humana...
Seria bom ganharmos consciência que TUDO está interligado
que toda a criação existe em interdependência...
Cada elemento da criação é importante,
mas como seres humanos ganhámos mais poder
do que qualquer outra espécie.
Ainda estamos a tempo de aplicar o nosso poder
em favor da Criação - sem destruição.





terça-feira, 2 de novembro de 2010

Cristais - enviados do Povo das Pedras

Os cristais são uma manifestação da Criação que falam a sua própria língua. Comunicam connosco numa maneira súbtil, suave... transmitem na sua própria maneira mensagens para apoiar-nos no nosso caminho. Podemos usufruir da sua força para ultrapassar barreiras e bloqueios, sejam eles de ordem física, psicológica, ou espiritual.
labradorite
Quando um cristal ou pedra preciosa vem ao nosso encontro, temos a oportunidade de criar laços: cuidamos do cristal, e o cristal cuida de nós. Começa a surgir uma ligação em que apoiamos um ao outro,  no caminho para a Luz.
À medida que cuidamos dos nossos cristais, e à medida que trabalhamos com eles, começamos a sincronizar-nos com a energia deles, e tornar-nos mais sensíveis para as suas vibrações - mas também para vibrações em geral. 
Ao abrir o coração, com o tempo vamos poder "ouvir" o que eles nos dizem, o que podemos fazer para eles, como podemos apoiá-los.
Os cristais ensinam assim, a ver o nosso Eu verdadeiro, e ouvir a Nós próprios.... e com o tempo, vamos poder "Ver" cada vez mais, ouvir, sentir.... e tudo que observamos vai ganhar cada vez mais beleza. E isso.... é o que tu És!

Muitas vezes as pessoas perguntam-me: que pedra é adequada para mim?
Perguntam a mim, mas a minha resposta muitas vezes resuma-se à recomendação: confia na tua Intuição, confia na tua Sabedoria Interior.
Na  nossa cultura, estamos muito habituados a desconfiar da intuição. Desde pequenos, ensinam-nos de seguir - porque há sempre alguém ou uma instituição, uma escola, que saberá melhor que nós, que tem estudado, que escreveu, que diz... E muitos vezes gostamos de ouvir dos outros o que é bom para nós, como temos que fazer, que linhas temos que seguir. Precisamos de afirmação - mas muitas vezes o que é confirmado é algo que já sabiamos!
Mas tudo podia ser tão mais natural, seguindo a Intuição, sem medo de falhar... porque tens toda a capacidade de sentir o que é bom para tí!
Isto não impede de gostarmos ouvir as experiências dos outros, nem que seja para abrir os nossos olhos para realidades desconhecidas. Naturalmente podemos apoiar-nos em sugestões de outros, mas seria bom não deixar que isso se torna uma limitação ou matriz para o que sentes dentro de ti.
E isso diz respeito também para a ligação que podes ter com os cristais.
São seres vivos,  e tal como nós, são manifestações da Energia da Criação. Consistem de Energia. São os Seres que têm por excelência a vocação para apoiar-nos quando procuramos lembrar (re-mind) quem Somos. Cada um tem a sua própria mensagem, cada um a sua vibração específica, mas todos têm em comum a vocação: relembrar....
Continuamente os Seres de Cristal oferecem a oportunidade de confiar na tua Intuição, na tua Sabedoria Interior. E ao escolher um cristal para teu uso pessoal, podes confiar nesta tua Intuição!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...