Cada um de nós tem uma chave para a sabedoria universal dentro de si. Abrindo o coração, entrando no silêncio, podemos aceder ao conhecimento que o vento murmura.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Palavras nas quais me revejo hoje

Hoje acordei, sentindo que finalmente, após quatro noites de sonhos perturbadores e três dias de "cabeça no ar", voltei a mim. Senti que o meu espirito estava a acordar no meu corpo, com vontade de começar o dia, de ver o Sol de manhã... pensando: que sorte tenho de poder estar aqui agora.
Com a mente lógica e científica podia olhar para o dia e ver a meteorologia. Podia pensar nas tarefas do dia, planear o trabalho.
Mas também posso olhar para fora, para ver e sentir o milagre da Natureza... mesmo quando as núvens não querem ceder, o Sol ilumina-nos. E há beleza... e quando experimentamos a beleza, começamos a admirar....


"After sleeping through a hundred million centuries we have finally opened our eyes on a sumptuous planet, sparkling with color, bountiful with life. Within decades we must close our eyes again. Isn't it a noble, an enlightened way of spending our brief time in the sun, to work at understanding the universe and how we have come to wake up in it? ... To put it the other way round, isn´t it sad to go to your grave without ever wondering why you were born?"

(Depois de ter dormido cem milhões de séculos, abrimos finalmente os nossos olhos num planeta sumptuoso, reluzente de cores, abundante de vida. Dentro de décadas temos que fechar os olhos novamente. Não é uma maneira nobre e illuminada de passar o  nosso pouco tempo ao sol, trabalhando para entender o Universo e como nós chegamos a acordar nele? .... para pôr isto em outras palavras: não será triste ir para a tua cova sem alguma vez ter te admirado para que nasceste? )

–Richard Dawkins, Unweaving the Rainbow: Science, Delusion, and the Appetite for Wonder


"A fire-mist and a planet,
A crystal and a cell,
A jellyfish and a saurian,
And caves where the cavemen dwell;
Then a sense of law and beauty,
...And a face turned from the clod — Some call it Evolution,
And others call it God."



("um nevoeiro de fogo e um planeta,
um cristal e uma célula,
uma medusa e um sáurio,
e cavernas onde homens residem;
E depois, um sentido de lei e beleza,
... e uma face que surge do torrão - uns chamam a isso Evolução,
e outros dizem Deus."


–Wilbert Herbert Carruth, "Each In His Own Tongue"

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...