Cada um de nós tem uma chave para a sabedoria universal dentro de si. Abrindo o coração, entrando no silêncio, podemos aceder ao conhecimento que o vento murmura.

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

O dia da Experiência do Som...

Pela astrologia, e pelas "channelings" de vários mediuns, sabemos que o ano de 2011 é um ano de alinhamento: a Fonte e a Mãe Terra estão a alinhar-se para iniciar uma nova ligação. O processo de que se fala, é um alinhamento da nossa galáxia, a Via Láctea, com a sua gémea, Andromeda, e a partir daí com o Coração Cósmico de toda a Criação e Luz.  O alinhamento proporciona uma energia em que a dimensão espiritual se possa desdobrar no nível material e físico. Será uma nova ligação, uma União em que vamos poder crescer da dualidade para a não dualidade, integrando opostos, juntando extremos, aceitando o Todo, e evoluir para poder SER.
Vamos poder ouvir a Harmonia do Universo e o Som da Fonte que tudo criou - através da nossa dimensão física.
No dia 5 de Março vamos dedicar um dia inteiro ao Som Sagrado. Uma parte em forma de retiro de meditação (é preciso inscrever), e uma segunda parte em forma de sessão de sons (aberto a todos que querem participar).

Começaremos com uma meditação ao Som do Silêncio - um som maravilhosamente rico!
Em seguido, escutaremos o som do nosso próprio Coração para poder manifestar o mesmo através da voz, para que todo o corpo possa benificiar da sua vibração.
Vamos explorar a meditação com mantras - vibrações sagradas que enriquecem a meditação e abrem portas para dimensões espirituais. E vamos sentir como poderemos usufruir dos sons para a nossa cura, tanto ao nível físico como emocional e espiritual.

No final da tarde, vamos celebrar a Lua Nova (que será o início do Ano Novo Tibetano) com um Concerto de Sons Sagrados.
Os sons tem um efeito curativo no corpo físico, no corpo emocional, na nossa experiência espiritual, harmonizando as várias dimensões para funcionar em unissono. A sessão visa a extensão e integração desta Harmonia tanto para a Mãe Terra como para o Universo - o alinhamento que abre portas para a Evolução e Acenção...
Estão todos bem-vindos para participar, mesmo estando a distância - basta abrir o Coração e fluir connosco, em Benifício de Tudo que É..

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Positividade - Sintonização Colectiva

De Brasil chegou uma mensagem com um convite para uma iniciativa excelente - e reproduzo aqui no blog por considerar que podemos fazer diferença, se orientamos a nossa mente, como um colectivo, para o Bem Comum. Somos todos UM e podemos contribuir com os nossos pensamentos construtivos, com o nosso Amor Incondicional, para o Bem-Estar de todos os seres....e do nosso Planeta!
 
"A Terra não pertence ao homem; o homem é que a ela pertence. Disto nós sabemos. Todas as coisas estão interligadas, como os laços que unem uma família. O que acontecer com a Terra acontecerá conosco. O homem não teceu a teia da vida cósmica, ele é um fio da mesma. O que ele fizer para a Terra estará fazendo a si próprio”. 
POSITIVIDADE - SINTONIZAÇÃO COLETIVA

Nosso planeta passa por uma crise sem precedentes. Muitas catástrofes estão acontecendo. E outras virão. Jamais uma época teve tão duras provas a enfrentar. Muitas iniciativas estão sendo tomadas para amenizar a situação atual.

Apesar disso, nem todas as pessoas podem fazer tudo aquilo que desejariam, pois, cada vez mais, a vida exige sérios compromissos de todos. Compromissos que, por vezes, tomam todo o tempo daqueles que
gostariam de poder contribuir e ajudar a humanidade nesta época tão dramática pela qual passamos.

Para compensar a falta de tempo na qual todos estão submersos, alguns grupos espíritas e espiritualistas, como a Sociedade Espírita Ramatis e outras, tiveram a excelente idéia de sincronizar suas meditações por cinco minutos, num horário comum, que permita à maioria das pessoas se interligarem, formando uma corrente mental.

Mas para que esse horário? Para que todos possam ter a oportunidade de, mesmo sem tempo, ajudar, de alguma forma.

A iniciativa consiste no seguinte: todos os dias, das 23h00min às 23h05min, milhares de pessoas estarão enviando suas vibrações positivas ao planeta.

Não importa se você é católico, umbandista, candomblista, batista, messiânico, espírita, budista, hinduísta, agnóstico, ateu, judeu, teosofista, gnóstico, confucionista, adventista, espiritualista, islâmico, protestante, cristão, evangélico, etc.

Enviar vibrações positivas nada mais é do que visualizar o planeta com harmonia, paz e amor, vibrando positivamente ou mentalizando o planeta sendo envolvido por energias benéficas com cores vibrantes, tais como o branco, o dourado e o violeta (que são os mais usados). Mas também
podemos mentalizar o planeta e irradiar luz e paz como se estivéssemos fora do planeta.

Obs.: Se você não acredita que seja possível enviar vibrações positivas ao planeta e aos seres humanos, não precisa abster-se deste momento. Poderá aguardar o período de 23h00min as 23h05min para, simplesmente, refletir sobre possíveis soluções para os problemas atuais. Simbolicamente, saberá que milhares de pessoas estão fazendo o mesmo, apenas o fazem de forma diferente. O importante é a união dos pensamentos de todos, sabendo que estamos iniciando um primeiro esforço no sentido de tornarmo-nos atentos e abertos aos problemas e dificuldades que assolam nosso planeta.

Horário para a vibração: De 23:00h às 23:05h.
Todos os dias.

P.S.: Se quiser e puder, mande esta mensagem para o maior número de pessoas possível. Quanto maior o número melhor para o Planeta.
 

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Palavras nas quais me revejo hoje

Hoje acordei, sentindo que finalmente, após quatro noites de sonhos perturbadores e três dias de "cabeça no ar", voltei a mim. Senti que o meu espirito estava a acordar no meu corpo, com vontade de começar o dia, de ver o Sol de manhã... pensando: que sorte tenho de poder estar aqui agora.
Com a mente lógica e científica podia olhar para o dia e ver a meteorologia. Podia pensar nas tarefas do dia, planear o trabalho.
Mas também posso olhar para fora, para ver e sentir o milagre da Natureza... mesmo quando as núvens não querem ceder, o Sol ilumina-nos. E há beleza... e quando experimentamos a beleza, começamos a admirar....


"After sleeping through a hundred million centuries we have finally opened our eyes on a sumptuous planet, sparkling with color, bountiful with life. Within decades we must close our eyes again. Isn't it a noble, an enlightened way of spending our brief time in the sun, to work at understanding the universe and how we have come to wake up in it? ... To put it the other way round, isn´t it sad to go to your grave without ever wondering why you were born?"

(Depois de ter dormido cem milhões de séculos, abrimos finalmente os nossos olhos num planeta sumptuoso, reluzente de cores, abundante de vida. Dentro de décadas temos que fechar os olhos novamente. Não é uma maneira nobre e illuminada de passar o  nosso pouco tempo ao sol, trabalhando para entender o Universo e como nós chegamos a acordar nele? .... para pôr isto em outras palavras: não será triste ir para a tua cova sem alguma vez ter te admirado para que nasceste? )

–Richard Dawkins, Unweaving the Rainbow: Science, Delusion, and the Appetite for Wonder


"A fire-mist and a planet,
A crystal and a cell,
A jellyfish and a saurian,
And caves where the cavemen dwell;
Then a sense of law and beauty,
...And a face turned from the clod — Some call it Evolution,
And others call it God."



("um nevoeiro de fogo e um planeta,
um cristal e uma célula,
uma medusa e um sáurio,
e cavernas onde homens residem;
E depois, um sentido de lei e beleza,
... e uma face que surge do torrão - uns chamam a isso Evolução,
e outros dizem Deus."


–Wilbert Herbert Carruth, "Each In His Own Tongue"

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Sobre o auto-conhecimento

Então um homem disse, Fala-nos do Auto-conhecimento.
E ele respondeu, dizendo:

Os vossos corações conhecem em silêncio os segredos dos dias e das noites.
Mas os vossos ouvidos anseiam pelo som do conhecimento do vosso coração.
Vós sabeis por palavras aquilo que sempre soubestes em pensamento.
Tocais com a ponta dos dedos o corpo nu dos vossos sonhos.

E ainda bem que assim é.
A nascente oculta da vossa alma deve erguer-se e correr a murmurar para o mar, e o tesouro das vossas profundezas infinitas será revelado perante os vossos olhos.
Mas que não haja medidas para pesar o vosso tesouro desconhecido;
E não procureis as profundezas do vosso conhecimento com limites.
Pois o ser em si não tem limites nem medidas.
Não digais "Encontrei a verdade", mas antes "Encontrei uma verdade."
Não digais "Encontrei o caminho para a alma", mas antes "Encontrei a alma a seguir o meu caminho''.

Pois a alma percorre todos os caminhos.
A alma não percorre uma linha, nem cresce como um caniço.
A alma desvenda-se a si própria como um lotus de incontáveis pétalas.

(Khalil Gibran em "The Prophet" 1923)

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Lua Cheia de Fevereiro 2011

O momento exacto para a Lua Cheia será às 9.37 de sábado, 19 de Fevereiro, com a Lua em Leão, e o Sol em Aquário. Vamos celebrar na sexta-feira ao fim da tarde, às 18.00h

Estamos a passar por um período em que vemos no Mundo as características de Aquário a serem mostrados: Liberdade, Igualdade, Fraternidade...
Aquário é um signo com um papel muito importante nestes tempos, não só para o planeta, mas para o Sistema Solar como um conjunto. O Sol está a movimentar-se rápidamente (dentro do Zodiaco Grande do Sistema Solar) de Peixes para Aquário. É a mudança para a Era do Aquário! Encontramo-nos *A porta de uma nova Era, com uma nova civilização, novos ideiais, uma nova cultura. A potência do Aquario está a aumentar, e estamos a ser expostos a sua força, cada dia mais...


Aquário é um signo de Ar e a sua influência é como o Ar, omnipresente. Todos estamos sujeitos à sua influência e as mudanças que provoca. Perdemos gradualmente o interesse para assuntos individuais, e gradualmente viramos para os valores Universais.O signo de Leão, o seu oposto (e com o qual procuramos equilíbrio neste período de Lua Cheia)
faz por sua vez que o Homem se sente como o centro. O desenvolvimento da auto-consciência é (como sabemos todos) uma característica típica leonina. A todo momento o Leão é um Ser Individual dedicado ao seu bem-estar. Mas no signo do Aquario, o Leão encontra a sua realização verdadeira, podendo ocupar-se com o bem-estar do conjunto em que funciona.

O signo do Aquário (duas linhas ondulantes) exprimem esta evolução numa beleza sumária.


As duas linhas são linhas energéticas fluindo do Homem Aquário para o Mundo. Uma linha representa a pessoa auto-consciente (Leão), a outra é a pessoa que sirva com consciencia do conjunto (Aquário). É um convite para estar claramente na nossa força indiviual, mas vivendo e trabalhando a partir de uma identidade espiritual, inserida no Conjunto. Um convite para que Coração e Razão colaborem em harmonia. Um convite para experimentar e viver a Liberdade espiritual, a Igualdade, a Fraternidade.
o Homem da Era do Aquário encontra o ponto de equilíbrio e não se deixa limitar por nenhuma das partes do par, mas utiliza-as para fins espirituais. Livre de preconceitos pessoais, partilha de uma maneira natural a sua energia vital com os que têm "sede". Não porque tem um desejo do ego de "querer fazer o Bem" mas sim, porque é uma expressão natural da sua Alma.

Neste período acontece a muitos sentirem que a sua capacidade de pensar e sentir, se juntam. Num n
ível profundo, tudo se liga a tudo, subjectivamente e realmente.
Passo a passo aproximamo-nos da Era do Aquário, da Era de Liberdade, Igualdade, Fraternidade.


O pensamento central para a meditação da Lua Cheia:
" Sou a Água da Vida, despejada para os Homens que têm sede." Água, símbolo da Vida, a característica vital do espírito humano. A Água que o Aquário despeja é duplo: água da Vida, água do Amor.


Cerimónia e Meditação da Lua Cheia
Sexta feira, 18 de Fevereiro, 18.00h
Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora

É costume trazer uma oferenda para o sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma pedrinha, uma flor, ou o que achar adequada para exprimir a gratidão.
A participação na cerimónia é por donativo.
Estão todos bem-vindos!

O Treino da Mente - Amor Incondicional

Falámos sobre o Oneness e sobre o Amor Incondicional, energia-base para a experiência da União.
O Amor Incondicional, ou Todo-Abrangente, é uma energia forte e poderosa - capaz de nos guiar pelos tempos mais difíceis.
É uma força disponível a qualquer momento - ao deixar que a nossa atenção se foca nela, podemos usar o potencial contido no Amor, para libertarmos das nossas limitações.
É necessário prática e focagem da nossa intenção para que a energia do Amor Incondicional se infiltra completamente na nossa experiência do dia-a-dia.
Para poder sentir Amor Incondicional temos que começar connosco próprios, porque sem amor-próprio não podemos conhecer a qualidade do Amor verdadeiro. Ao ter amor-próprio, permitimos que a sensação se gera dentro de nós, e a partir daí podemos partilhar com tudo e com todos à nossa volta!
(Veja aqui  o Dalai Lama falar sobre a importância do amor-próprio para desenvolver compaixão para com os outros.)

Há um princípio que é discutido na área da psicanálise, que diz que temos um Eu interior verdadeiro (inner true Self), que é demasiado vulnerável para expor, por isso cobrimos este Eu verdadeiro com uma máscara de um Eu falso. O Amor Incondicional provém da verdadeira natureza do Eu. "Loving Kindness" - Amor e Bondade, Compaixão. Tendo a sua origem na nossa verdadeira natureza, podemos considerar esta forma de afectividade como a mais real e verdadeira.
Vindo do nosso núcleo mais interior, e direccionado para o núcleo mais interior do outro, podemos chegar muito mais perto das pessoas, comunicando com elas de modo mais verdadeiro, honesto, e mais recompensador.
O significado do Amor Incondicional é isso mesmo - amar sem condições prévias, dando amor sem esperar nada de volta, nem sequer qualquer amor recíproco. Por isso o caminho pode ser difícil, mas é um caminho onde pode ser encontrada muita felicidade e realização. Não é algo que podemos esperar quando iniciamos o caminho - teremos que aceitar a faceta da incondicionalidade. Mas a experiência mostra que quanto mais emitimos a nossa amor, mais felicidade podemos experimentar.


Não se trata de amor romântico - o amor Incondicional não quer nada do outro, embora pode querer tudo para o outro. Não é sobre desejo ou posse - é sobre apreciação e preocupar-se com o bem-estar do outro. Embora o Amor Incondicional tem algo a ver com a condição de ser pais, muitos pais querem tanto de e para os seus filhos que a sua relação está muito longe de ser incondicional.
Em estudos  neurológicos recorrendo a MRI-scans, foram identificadas as áreas que estão envolvidas nas várias facetas do amor, e segundo um artigo no Público de ontem "Sabe-se hoje que existem 12 regiões do cérebro que são recrutadas quando pensamos na pessoa que amamos. Stephanie Ortigue, uma investigadora da Universidade de Siracusa, nos Estados Unidos, analisou com colegas a escassa bibliografia sobre a detecção destas regiões e verificou que existem diferenças quando se sente o amor de paixão, e quando se sente o amor incondicional e o amor maternal." (ver artigo completo)

A capacidade de sentir e emitir Amor Incondicional é algo que pode ser desenvolvido através do treino da mente.
Podemos desenvolver a nossa capacidade de amar tudo e todos, sem criar laços de apego, sem julgar o outro por quem é. Podemos habituar-nos a ter respeito e consideração para as pessoas que encontramos, tratando-as como iguais, nem superior nem inferior a nós próprios.
Podemos reflectir sobre a noção, que todos tem algures a mesma fonte de Amor Incondicional escondida dentro do seu coração. Podemos lembrar-nos sempre que mesmo se alguém tenha comportamentos, atitudes e acções discutíveis, por baixo disso há uma pessoa com uma natureza igual a nossa, pura em essência.
Podemos treinar o não-julgamento.

Podemos começar hoje.
Podemos começar hoje, sentindo perdão, uma maneira maravilhosa de libertar o passado e começar a amar incondicionalmente. Deixando o passado para trás, podemos libertar-nos das nossas limitações, e estar em paz com a vida.
Podemos começar hoje, meditando, sentindo a tranquilidade dentro do nosso coração, encontrando a nossa verdadeira natureza, luminosa e abundante em Amor. Meditando podemos treinar a mente a não julgar - e observar, com atenção plena, as emoções que ocorrem em nós, e nos outros.
Podemos começar hoje, ficando quietos nos momentos de confusão, de medo, ansiedade ou stress. Focando a atenção na respiração, o silêncio interior chegará e as respostas surgirão.
Podemos começar hoje, olhando para o espelho, vendo-nos como se fosse pela primeira vez e encaminhando para a nossa imagem o nosso Amor Incondicional. Se não reflectiste ainda sobre os teus sentimentos em relação a ti próprio - ao nível físico, mental, emocional e espiritual - podes começar hoje



Podemos começar hoje, abraçando alguém.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Viver no Agora para preparar o futuro?

Nas nossas partilhas surge por vezes a pergunta:
O que acontecerá em 2012? Como podemos preparar-nos?

Não sei  o que acontecerá. As profecias Maia falam sobre o fim de uma era. Falam de grandes transformações, profundas mudanças. Não sei se haverá algum fenómeno natural especial; o fim do mundo não será com certeza, o planeta já passou por muitos ciclos, e penso que podemos estar seguros que também desta vez se iniciará um novo ciclo.
A revelação das profecias Maia fala sobre o final do medo, onde o mundo de ódio e materialismo terminará no dia 23 de Dezembro de 2012. Nesse momento a humanidade deverá escolher entre continuar o seu comportamento egocêntrico e desaparecer do planeta como espécie, ou evoluir para que ocorra a integração do homem com o Universo, passando a viver num estado de harmonia espiritual com toda a Criação.

As profecias Maia deram origem a muitas especulações sobre o fim do mundo tal como o conhecemos agora. Curiosamente, muitos dos cenários pintados, têm como base o medo - o mesmo medo do qual que a profecia anuncia o fim... Especulações sobre grandes desastres, sobre muitos mortos, sobre dor e perda.... Surgiram cenarios de terramotos, tsunamis, tempestades solares, inversão de pólos magnéticos, uma mudança radical do clima...

Mas o mais importante da mensagem dos Maias, parece-me ser a parte em que se prevê uma evolução "...para que ocorra a integração do Homem com o Universo".
Aí está, no meu ver, a base de toda a mudança que nos espera. Independentemente do que acontecerá ao nível material, abrir-se-ia uma nova dimensão espiritual!
Para muitos de nós, a aproximação da mudança é uma boa notícia, uma razão de regozijo. Os véus cairão, vamos poder ver com clareza.
Isto significará que também vamos poder ver o  que estará no coração das pessoas... vamos poder perceber as suas motivações reais. Vamos poder perceber quem é movido por motivos egocêntricos, de promoção pessoal; vamos poder sentir quem funciona a partir do seu coração e de coração aberto, para o bem do conjunto.

A integração do Homem com o Universo - que é como dizer, vamos passar a viver em União com toda a Criação, com tudo que É. Com a consciência que as barreiras físicas dos nossos corpos formam somente uma divisão ilusória, porque na realidade somos todos juntos UM. Viver na experiência contínua do Oneness...
Pode não ser muito linear que isto significará também o final do medo. Porque vivemos até agora numa percepção da realidade baseada na separação e na dualidade. A nossa personalidade formou-se através da comparação com os outros; aprendemos a viver com a dor da separação e o medo da perda dos nossos amados. Cultivámos os nossos tiques e feitios em estratégias de auto-defesa ou de sobrevivência. Todos nós sabemos que muitos comportamentos não são racionais nem visam a resolução de problemas, mas são tão só maneiras de nos reservar e preservar, nos nossos olhos e nos olhos dos outros. Gostamos ser precisos, sentir-nos úteis, chegamos a confundir amor com dependência e apego. Confundimos sofrimento para poder aprender, com o papel de vítima em que nos inferiorizamos a nos próprios. A concorrência para obter amor, apreço e aceitação leva-nos a estratégias que podem magoar a nós ou aos outros, indo de auto-promoção até a auto-vitimização; de manipulação até aceitação de ser manipulado; cada um saberá por si o que faz para se segurar do amor dos outros.
Vivemos até agora no medo que "outros" nos "sugam a energia" - levando a estratégias de defesa e de rejeição - contribuindo assim para que o "roubo energético" continua!

Mas agora o paradigma está prestes a mudar. Se todos juntos somos UM, tu fazes parte de mim, como eu faço parte de ti.
Aqui entra a capacidade da amar incondicionalmente... não só aos outros, mas a  nos próprios por igual. Aceitar quem somos, e aceitar o outro, tal e qual como é, sem querer mudar, sem achar que o outro tem que retribuir a atenção que lhe damos.
É mesmo aqui que entra o conceito do "fim do medo". Não podemos abraçar com amor incondicional, algo para o qual sentimos medo. Mesmo se falamos sobre a nossa vida interior, é difícil abraçarmos os nossos medos, é difícil aceitar que existem e que fazem parte de nós.

A passagem para a consciência que todos somos UM, implica que aceitamos que somos iguais uns aos outros. Que ninguém é mais forte, ao nível da alma. A diferença pode estar na aceitação de que cada um é capaz, e na capacidade de abrir mão da ilusão que somos algo separado, e abrir mão da ilusão que vale a pena entrar em concorrência com o outro. Se todos somos UM, combater o outro significa combater uma parte de mim próprio.
Uma consequência desta noção será a revisão da atitude a tomar perante o "inimigo", que parece querer nos mal, perante quem "suga a nossa energia". Será que continua a ser válida uma atitude de rejeição do outro, fechando o nosso sistema para o outro não nos atingir, erguendo defesas?
Se somos UM, defender-me contra o outro é como rejeitar uma parte de mim. E todos sabemos ao que isso leva, quando olhamos para um corpo humano que desenvolve auto-imunidade.São doenças dolorosas e nos olhos da medicina convencional, raremente têm cura.

Por outro lado, posso olhar para o outro, que parece ser um exemplo do "Mal", com compaixão. Sabendo como funciono, posso procurar entender o que leva ao outro a comportar-se assim. O normal é descobir que o seu comportamento faz parte de uma estratégia para se sentir bem consigo próprio, e que não se trata de algo pessoal para connosco especificamente. A capacidade de observação compassiva, faz com que posso olhar para o seu sofrimento como se tratasse do meu...

Não estou a fazer aqui de modo algum uma apologia para a resignação. Antes pelo contrário, a condição que podemos VER o outro, e as suas motivações, vai dar condições excelentes para poder escolher se compactuamos ou não com atitudes egocentricos ou motivados por emoções destrutivas.

Não será uma passagem fácil para quem não aceita SER quem É. Se queremos ser alguém diferente do que somos, baseado em imagens ideiais vindo do nosso ambiente, da nossa cultura, da nossa educação, haverá sempre insatisfação, um caminho longo para percorrer, medo de não ser capaz ou de deixar de ser capaz...

Se por outro lado, começamos a viver no momento, sentindo quem somos AGORA, aceitando que as coisas são como são, porque há o que precisa haver, porque acontece o que precisa acontecer... estaremos envolvidos  na nossa própria energia, firmes, fortes, seguros. Em contacto connosco, não é preciso ter medo que alguém nos rouba a nossa energia, porque saberemos ver quem tenha este propósito, e podemos DAR voluntariamente a nossa atenção, o nosso entendimento, a nossa compaixão - ou apenas observar como o outro vive a sua frustração.
O contacto connosco, conhecendo-nos a nós próprios, a nossa aceitação e sim, porque não dizer isso mesmo, o amor incondicional para nós próprios, vai fazer com que o nosso corpo energético torna-se transparente - a energia que não está em harmonia com a nossa, vai fluir para fora do nosso espaço.
Vamos poder sentir a União sem medo que perdemos a nossa própria energia - tal como uma célula do  sangue não perde a sua própria função por fazer parte de um fluxo maior....

Seja o que fôr que vai acontecer no ano de 2012, sei que vamos precisar da nossa força do Amor Universal. Vamos precisar da capacidade de SER, no próprio momento, sem ser condicionado pela dor do passado, pelos medos incutidos, ou por hábitos de comportamento baseados na ilusão.
Os véus vai caír, disso tenho a certeza. A melhor preparação parece-me aceitar-nos como somos, aceitar que cada um tem o seu caminho para trilhar, e aceitar que não podemos fazer isso para ninguém, tal como ninguém pode resolver o nosso karma para nós. Passaremos a uma era de igualdade - cada um com as suas próprias qualidades, aceitando a sua própria vocação e escolhendo o seu lugar em conformidade. Sem medo de ficar perdido, com auto-confiança e auto-estima,  porque teremos a consciência que também nós somos uma parte indispensável para o Grande Conjunto.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

É aqui e agora. Não há caminho.

Quando falamos do Oneness - a União com Tudo que É - falamos realmente sobre a  nossa realização espiritual. Falamos de voltarmos a ser quem SOMOS - um voltar para o estado em que a Alma é reconhecida no seu aspecto divino, completo, uno. Um abraçar incondicional de tudo que SOMOS, e de tudo que É - sem reserva, sem medo, sem rejeição, sem julgamento.
Um estado de humildade e grandeza ao mesmo tempo; um estado em que sentimos o Amor Incondicional fluir livremente. Um estado em que sentimos a ligação à Vida, em que temos acesso à Sabedoria e Compaixão, à cura e à felicidade.
Por muito que queremos cultivar o conceito que é preciso crescermos e trabalharmos muito para chegar a ter esta capacidade, os mestres parecem contradizer esta ideia. A ideia de termos que caminhar muito, é ela própria um resultado de pensarmos a partir da separação, da dualidade, do receio. Receamos não ser capaz; receamos a insegurança, o desconhecido, a falta de apoio, a dor, a solidão, a doença, a morte. Todos receios que nascem na ideia que estamos separados da Fonte.
A Vida diz nos que não é preciso. Basta abrir as mãos, deixar de caminhar, deixar de querer chegar a algum lado.

Nas palavras de Thich Nhat Hanh:
Não há caminho para a felicidade,
a felicidade é o caminho.

Deves ser feliz, aqui mesmo e agora.
Não há caminho para a iluminação.
A iluminação é aqui mesmo, agora mesmo.
No momento em que tu voltas a TI, mente e corpo em conjunto,
inteiramente presente, completamente vivo, aí já tens a iluminação.
Não és mais um sonâmbulo.
Não estás mais num sonho.
Tu  estás vivo.
Tu estás desperto.

A iluminação está ai.

E se tu permites que cada um destes momentos se prolonga,
a Iluminação torna-se mais profunda.
Mais poderosa.
Não há caminho para a iluminação
a iluminação é o caminho.


Vietnamese Zen Buddhist Monk - Thich Nhat Hanh - 2007

veja também
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...