Cada um de nós tem uma chave para a sabedoria universal dentro de si. Abrindo o coração, entrando no silêncio, podemos aceder ao conhecimento que o vento murmura.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Sol em Carneiro, Lua em Balança...onde estamos em relação ao Outro?

Na a noite de sexta-feira para sábado, o período da Lua cheia em Balança practicamente coincide com a Sexta-feira Santa e a celebração da Páscoa - o que põe ainda mais ênfase na importância espiritual da Lua cheia. 

 Na Lua cheia olhamos para a nossa relação com os outros, e a Lua Cheia em Carneiro/Balança ilumina ainda mais este aspecto, porque estes dois signos reforçam o Eu (Carneiro) e o Outro (Balança). Assim, a primeira Lua cheia do ano solar dá uma luz sobre as questões emocionais  que encontramos ao lidar com outros. Ainda por cima, a Lua estará perto da Terra, e aparecerá maior do que normalmente. A sua influência também será maior!

Carneiro e Balança estão posicionados à porta dos Equinócios. Carneiro, mais junto ao Equinócio da Primavera, simboliza no hemisfério norte, a força renovada do Sol, trazendo energia para chegarmos ao potencial da nossa nova vida individual. Balança por sua vez, está junto ao Equinócio do Outono, quando a comunidade se junta para as colheitas, e quando nos preparamos para as noites compridas e tempo frio. Sendo signos posicionados em oposição, é a sua 'tarefa' de encontrar equilíbrio entre os extremos.

Na Sexta-feira Santa, é celebrada a Páscoa judaica. É a festa que celebre a libertação do povo da escravatura. Na sua essência podemos reconhecer características de Carneiro, que procura a liberdade para poder seguir o seu próprio caminho. A Páscoa celebra uma nova vida em liberdade, mas é uma liberdade à custa da vida de animais e todas as crianças primogénitas egípcias. O Deus de Abraão ofereceu a liberdade ao seu povo, sacrificando as vidas dos outros.

Quando olhamos para Carneiro, vemos o herói, o conquistador.. e alguns até pensam "melhor ele do que eu...". Carneiro descobre a identidade individual, mas os outros podem sentir as suas atitudes como egocêntricas ou egoístas. Na história da Páscoa judaica, os dois lados só olham para os seus próprios interesses, e o resultado foi que muitos tiveram que morrer para que outros poderiam ser livres.

A Páscoa cristã tem uma vibração e uma energia muito diferente - com mais características de Balança. A escolha de Jesus é de se sacrificar para que todos os outros poderiam ser espiritualmente livres. Ele morre para dar a vida ao mundo.Aqui encontramos a ideia de um rei que se sacrifica, dando literalmente a sua vida para o seu povo - um motivo bastante "pagão"! A melhor parte da história da Páscoa é depois o renascimento de Jesus como o Cristo. A sua identidade espiritual toma o lugar da identidade do seu ego (personalidade). O Cristo Ressurrecto mostra que podemos viver para sempre quando desenvolvemos uma perspectiva espiritual sobre a vida.
De certa forma, vemos aqui o ideal de Balança de entregar os seus próprios desejos para o bem do outro: "o que é bom para o meu amado, é bom para mim". Mas pode ser o início de demasiado auto-sacrifício. Se Balança não sabe dizer Não, acaba por ser magoado quando o outro começa a pedir, pedir, pedir e tirar tudo o que Balança tem para dar.
Numa relação, não pode existir equilíbrio se só há um lado que se sacrifica. Equilíbrio só existe quando ambos abraçam tanto a essência do Eu (Carneiro) como a essência do Outro (Balança).

Uma boa maneira de conseguir o equilíbrio, é de fazer um passo para frente e entrar naquela perspectiva espiritual maior, a fim de nos perguntarmos: quais as nossas  necessidades pessoais, que exigimos ao nosso parceiro de preencher? Temos que tomar conta das nossas próprias necessidades tanto quanto possível. Outra pergunta: quais as necessidades do nosso parceiro que estamos a ignorar? É connosco de importarmos o suficiente com o nosso parceiro de modo que podemos ajudá-los.
Mais uma: sendo companheiros, em que medida somos responsáveis para a felicidade e contentamento? Temos a responsabilidade de agir sem maldade, de ajudar sem causar mágoa a nós proprios, e de dizer "não" quando isso é o melhor para aqueles que nos amamos.
Ao haver demasiado Eu ou demasiado Outro, existe a semente de desequilíbrio. A lição de Balança e Carneiro está no complementaridade dos opostos!


Carneiro marca o Início. O início da vida, em que a Luz do Amor que Tudo abrange, começa a tomar forma. Nasce um novo individuo - e na base do processo está o princípio do pensamento. Carneiro é o signo das novas ideias, conceitos, actividade intelectual. Nova forma, novos planos, novos rumos...inovação, renovação, um primeiro passo para a materialização de uma energia espiritual.
Sabemos que energia segue o pensamento - os nossos pensamentos tornam-se acções para que a nossa vontade se realiza.
O signo de Carneiro traz em si a criatividade, o início do caminho certo para a realização pessoal e espiritual. O caminho dirige-se primeiro para a faceta material, para daí poder surgir o espiritual.

A cerimónia e meditação da Lua Cheia terá lugar a partir das  07.00h da manhã de Sábado, 7 de Abril, no Cromeleque dos Almendres, em Guadalupe - Évora. 

A cerimónia  consistirá de uma meditação e uma invocação da Lua e do Sol. Vamos concentrar-nos na energia do renascimento, do acordar de novo. Haverá um espaço de reflexão sobre a responsabilidade que cada um tem para manter a sua própria harmonia - a fim de podermos aceitar que a nossa Consciência é a maior força de Criação que existe na nossa vida. A cerimónia é no seu conjunto, um convite para assumir a nossa responsabilidade e o poder da nossa mente e da nossa consciência.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...