Cada um de nós tem uma chave para a sabedoria universal dentro de si. Abrindo o coração, entrando no silêncio, podemos aceder ao conhecimento que o vento murmura.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Harmonia, Liberdade e Autoridade

(fonte da imagem)
Uma característica importante que precisamos de cultivar para ter uma vida feliz, é a capacidade de ficar na nossa própria energia, em equilíbrio. Para isso é preciso ser livre: a liberdade interior permite manter o nosso equilíbrio apesar da desarmonia com que o outro nos confronta.
A harmonia com o outro não é atingida adaptando-nos à energia com que estamos a ser confrontados.
Antes, será através da nossa autenticidade que podemos chegar à harmonia. Se tivermos a coragem de ser iguais à nós próprios, encontramos a verdade mais profunda que alguma vez podemos receber. É com esta verdade que podemos ultrapassar a distância entre nós e o outro.
Não é preciso concordar com a opinião do outro para o respeitar  e valorizar. Se aceitamos que somos únicos, podemos aceitar também que o outro é único, e podemos respeitar o seu ponto de vista. Encontrando a Verdade em nós, podemos reconhece-la quando se manifesta no outro.

Harmonia é construida na base de igualdade: cada um, um Ser único, com outras experiências, mas de igual valor. Sem necessidade ou vontade de manipular; sem dependências; sem necessidade de controlar. O conceito-chave: Liberdade. Havendo liberdade interior, podemos deixar que o outro é quem é, sem necessidade de julgá-lo, nem mudá-lo.

Se quisermos ser livres, temos que ter a coragem de ser iguais a nós próprios, mesmo que os outros nos julguem ou discordem. E temos que respeitar que os outros tenham igualmente o direito de serem iguais a si próprios - mesmo se isso significa que somos tocados nas nossas vulnerabilidades. Não podemos ser livres, se deixamos que o outro funciona como autoridade em relação a nós, nem se pretendemos ser uma autoridade em relação aos outros.
A verdadeira autoridade é inamovível, e valoriza-se a si própria. Alguém que tenha uma autoridade natural, não precisa de aprovação de outros - mas também não precisa de ter razão à custa de outros. Quem tenha autoridade natural, não se deixa arrastar pelos dramas do outro - nem está virado para dentro, para a satisfação das suas necessidades do ego.
A autoridade natural vem do coração, com toda a força que o plexo solar lhe confere. E é uma bênção, para a integridade do próprio e do outro. Alguém que tenha autoridade natural, não está focado nas falhas do outro ou do próprio, e consequentemente, não procura esconder, criticar, salvar, nem precisa que seja salvo.
Portanto, o nosso caminho para a harmonia e a liberdade passa também pela aceitação da nossa autoridade natural.

2 comentários:

  1. Impressionante a simplicidade da sua maneira de escrever. Transparece amor e a complexidade da mente se desfaz numa clareza total. Obrigada por partilhar. Gostei muito desta definição de serenidade!.

    ResponderEliminar
  2. Se há alguma verdade nas palavras que escrevo será essa que vejo no espelho que os outros me mostram. Se vê clareza na minha escrita, será com certeza porque reconhece o que já existe na sua maneira de ser. Bem haja por ser quem é ;)

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...