Cada um de nós tem uma chave para a sabedoria universal dentro de si. Abrindo o coração, entrando no silêncio, podemos aceder ao conhecimento que o vento murmura.

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

2016, ano da generosidade

Começo com uma alteração. Estava anunciada para o dia 3 de Janeiro uma cerimónia de fogo no Cromeleque. Por várias razões (às quais acrescenta a previsão de chuva para o fim de semana) a data é alterada para sábado, dia 23, quando celebramos a Lua Cheia.

O ano de 2016 começa com Mercúrio retrógrado, do dia 5 até ao dia 25. A experiência do Mercúrio retrógrado normalmente inclui um período de sombra e um período de tempestade. A primeira sombra podemos ter já sentido, uma sensação de estar desconectado, com dificuldades de contacto e comunicação. Podemos estar a questionar muita coisa, por exemplo a maneira em que estamos a funcionar nas organizações, nos grupos em que trabalhamos. Dúvidas sobre o que será o futuro, o que estará à nossa espera, sensações que as coisas não correm como desejadas. Turbulências em relações de amizade, meios de comunicação que se recusam trabalhar correctamente, uma sensação de revolta que ameaça explodir. E quando isso acontece no signo de Aquário, ainda mais revoltados podemos ficar, por Aquário ser o signo do serviço ao conjunto e à comunidade...
Mas antes disso ainda temos a Lua Nova, no dia 9 de Janeiro. Altura de estabelecer intenções e objectivos para o novo ano!

A Lua Nova estará em Capricórnio, signo dos objectivos e aspirações, o que é uma ajuda boa para focar nos planos. A focagem estará na direcção a tomar, que caminho escolher: o que nos moverá?
E talvez ainda mais importante do que isso: Capricórnio ajuda-nos a ser realistas acerca das nossas capacidades.
Lua Nova é a altura de plantar as sementes - no início de Janeiro podemos querer plantar sementes para o ano todo. Mas com cuidado, Mercúrio está retrogrado, e do que ele gosta é de mal-entendimentos que levam a ter que começar de novo. Por isso, talvez seja uma boa ideia de dar-nos uma segunda oportunidade com um sonho ou objectivo que não resultou à primeira.

Na Lua Cheia, dia 23 de Janeiro, a Lua estará em Leão, oposto ao Sol em Aquário. Leão é o signo da criatividade, da alegria de viver. A criatividade estará num ponto alto, com as emoções aumentadas pela luz da Lua e a inspiração alimentada pelos sentimentos. Podemos criar algo maravilhosamente positivo por altura desta Lua!
Diz-se que as palavras-chave do ano de 2016 incluem a partilha, da generosidade, a entre-ajuda. A Lua em Leão ajuda para nos sentirmos melhor connosco - enquanto o Sol em Aquário estimula para usar esta boa onda para fazer os outros sentirem-se igualmente bem. Podemos ser todos generosos!

Nada mais natural do que celebrar esta Lua com a cerimónia de Fogo, em que podemos libertar e transformar padrões antigos, para dar espaço a novas intenções!

O fogo, símbolo da Luz que está sempre connosco, é também um símbolo da força de transformação.
Elementos da cerimónia são a "confissão", quando escrevemos num papel aquilo que consideramos as padrões negativas que queremos libertar. Também pode haver uma transferência mental para um material combustível, um papel, um pau... Depois haverá uma meditação em que é dado espaço para tomar consciência que somos nós que precisamos de tomar as rédeas da nossa vida, que somos nós os responsáveis para a nossa energia e harmonia. E a primeira acção é lançar os padrões do passado para o fogo, para que se transformem em Luz, calor e cinzas férteis. Das cinzas da aprendizagem nasce uma nova vida...
Finalmente, lançamos também para o Fogo, agradecimentos para a Mãe Terra e os nossos desejos para o futuro. Sabemos que vivemos em interdependência com a Mãe Terra, como vivemos em interdependência com todos os seres humanos. A roda à volta do Fogo simboliza esta União.

Quem quiser pode trazer o seu tambor. Quem não tiver tambor, traga a sua presença e Luz interior.

Meditação da Lua Cheia - Cerimónia de Fogo
Sábado, 23 de Janeiro às 16.30h

Cromeleque dos Almendres, Guadalupe - Évora

Para a cerimónia no Cromeleque, é costume trazer uma oferenda em agradecimento ao sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma pedrinha, uma flor, ou o que achar adequada para exprimir a gratidão.
A participação na cerimónia é por donativo.
Estão todos bem-vindos!


quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

actividades de Dezembro

Aqui estão as actividades de Dezembro!

Estamos quase a chegar à Lua Nova de dezembro, no dia 11. Uma Lua Nova é sempre um momento de passar por uma barreira, deixar o antigo para trás e iniciar algo de novo. É a altura ideal para fazer um "reboot" espiritual... e a Lua Nova (e Sol) em Sagitário anuncia que é a altura certa de abrir a mente e olhar para o futuro.
O signo de Sagitário tem como símbolo o arqueiro-cavalo, que aponta a seta para o céu. Simboliza a procura de uma integração perfeita de acções mundanas e aspirações nobres e elevadas. O Centauro que tem o seu olho numa aspiração mais alta, mais transcendentes, e é este alvo para onde está apontada a sua seta. Sagitário quer restabelecer a ligação entre o Eu Superior e o Explorador que há em nós, e as intenções que semeamos agora podem tornar-se numa viagem até a verdade do Coração. Sagitário é o signo da procura da Verdade mais profunda; ao mesmo tempo, é o signo do optimismo, do olhar para o futuro. Sob este signo podemos aceder às visões que nos podem orientar quando procuramos esperança para o futuro.
___________________________

Nesta Lua Nova vamos fazer um workshop virado para o futuro, que tem o intuito de plantar a semente da consciência e da plena atenção nos mais novos.

Workshop Meditação para Pais e Filhos
12 de Dezembro, das 10h às 11h30
Local: Largo Dr. Mário Chicó, 7 - Évora
Um workshop para descobrir como é fácil fazer meditação com crianças! Exercícios simples de meditação de atenção plena; um exercício de "limpeza energética" para libertar emoções e tensões, e uma visualização para estimular a criatividade e o auto-estima.
Na meditação as crianças encontram, dentro de si, um lugar seguro onde se podem retirar, onde podem encontrar a calma necessária para olhar de novo para situações difíceis. O workshop destina-se a pais que querem introduzir a meditação no dia-a-dia dos seus filhos e procuram inspiração. Os exercícios que vamos fazer podem ser facilmente reproduzidos em casa.
____________________________

A energia de Sagitário vai nos acompanhar até ao Solstício do Inverno, no dia 22 de Dezembro. Este período traz uma ênfase na
expansão e no crescimento, porque Sagitário procura a verdade universal e o sentido da vida. Nessa procura, precisa de liberdade e espaço para expansão da consciência. O período até ao Solstício e a Lua Cheia logo a seguir (25 de Dez) será um período não só de descobrir a verdade, será também de exprimir as verdades. E como isso faz sentir bem!
Caminhando para o dia mais curto e a noite mais longa do ano, há uma viragem natural para dentro, uma procura da verdade interior. Será como um "Vision quest" (busca da visão) para descobrir aquilo que faz realmente sentido.
Nesta altura,não só é importante de encontrar a verdade, como também é a expressão desta mesma verdade. Seguimos os conselhos de D. Miguel Ruiz, que diz "... encontra a coragem de fazer perguntas, e de exprimir o que realmente quer dizer. Comunique com outros de maneira mais clara possível, a fim de evitar mal-entendimentos, tristezas e dramas..." Altura de trabalhar o 5o chakra, para poder comunicar a nossa verdade de maneira mais harmoniosa possível.

__________________________

Saudação ao Nascer do Sol do Solstício de Inverno
Terça-feira, 22 de Dezembro, às 07h30h
Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora
Fica aqui o convite para celebrar a roda do tempo e o início das noites escuras do inverno. Saudamos o Sol, convidamos para que nos ilumina o coração enquanto fazemos a introspecção...

A Lua Cheia em Caranguejo vai iluminar o tesouro escondido no centro do Coração de todos nós - a hora certa da Lua Cheia é 11h11m no dia 25 de Dezembro. Não podia se mais simbólico para o nascer de uma nova Luz neste mundo! É a Lua da família, das emoções, da vida privada... e este ano também é Lua de Natal ;)

Meditação e Cerimónia da Lua Cheia
Sexta feira, 25 de Dezembro, 17h30
Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora
Para a cerimónia no Cromeleque, é costume trazer uma oferenda em agradecimento ao sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma pedrinha, uma flor, ou o que achar adequada para exprimir a gratidão.
A participação na cerimónia é por donativo.
Estão todos bem-vindos!

____________________________

Ao entrar no ano novo, é importante lembrar não só o que queremos alcançar, mas honrar igualmente tudo que já alcançamos. Uma altura ideal para fazer o inventário, ver o que já passou, o que já foi alcançado. Um momento ideal para olhar para trás e ver o que foi 2015. Sentir-nos bem, vendo o que somos capaz de fazer, pode ser aquele empurrãozinho que precisamos para avançar para 2016.
No primeiro fim de semana de 2016 vamos fazer uma cerimónia de fogo. O fogo, simbolo da Luz que está sempre connosco, é também um símbolo da força de transformação e transmutação.
Elementos da cerimónia são a "confissão", quando escrevemos num papel aquilo que consideramos as padrões negativas que queremos libertar. Também pode haver uma transferência mental para um material combustível, um papel, um pau... Depois haverá uma meditação em que é dado espaço para tomar consciência que somos nós que precisamos de tomar as rédeas da nossa vida, que somos nós os responsáveis para a nossa energia e harmonia. E a primeira acção é lançar os padrões do passado para o fogo, para que se transformem em Luz, calor e cinzas férteis. Das cinzas da aprendizagem nasce uma nova vida...
Finalmente, lançamos também para o Fogo, agradecimentos para a Mãe Terra e os nossos desejos para o futuro. Sabemos que vivemos em interdependência com a Mãe Terra, como vivemos em interdependência com todos os seres humanos. A roda à volta do Fogo simboliza esta União.

Quem quiser pode trazer o seu tambor. Quem não tiver tambor, traga a sua presença e Luz interior.

Cerimónia de Fogo
Domingo 3 de Janeiro às 16.30h
Cromeleque dos Almendres, Guadalupe - Évora

sábado, 24 de outubro de 2015

Aceitar o momento, ou a viagem além do Ego

Os grandes mestres ensinam: "O momento de Agora é o único momento que existe."

Dão a entender que o passado e o futuro são feitos de pensamentos e conceitos, construidos pela mente... o que em si é razão suficiente para dizer que futuro ou passado não são "reais". Passado e futuro estão entre as orelhas. Se os mandar fora, o que resta? Algo a que chamamos Agora.

Uma ideia muito reconfortante, esta de não existir nada além do que aquilo que experimentamos no momento. O que há é a sensação do corpo, a situação em que este se encontra, e mais do que aquilo não existe realmente. Em constante mudança, todos os momentos do Agora são perfeitamente únicos e imprevisíveis.

Aceitar a ideia que não existe nada além do Agora, é um método eficaz para ir além do Ego - que é aquela parte da mente que se preocupa com o futuro e com o passado; que sofre de emoções e que trabalha com (pre-)conceitos.

Ao treinar a mente observar o momento e sentir o Agora, estamos a desenvolver uma ferramenta muito forte que nos pode ajudar lidar com o Ego. Quando começamos a limitar a experiência ao Agora, deixa de haver a necessidade de sentir culpa ou dúvidas acerca do passado. Também deixa de haver necessidade de alimentar ansiedades acerca do futuro.

O que é o Agora?

Encontro bastante pessoas que parecem ter dificuldade de se entregar ao Momento. Nas meditações, têm dificuldade em se relaxar, quando notam que a mente continua activa, distraíndo do Aqui-e-Agora, para puxar para acontecimentos do dia-a-dia. Por isso, parece ser útil reflectir um pouco acerca do "Agora". O que é o Agora e como nos relacionamos com este momento?

Em cada momento da existência, a mente vai criando (através do sistema nervosa e o cérebro) uma imagem daquilo que encontra no corpo e aquilo que lhe chega do ambiente através dos órgão sensoriais.

A sucessão das imagens criadas é tão rápida que parece existir um fluxo contínuo, sem que se toma consciência que afinal é uma sequência de imagens individuais. Comparamos com o cinema em que a ilusão de uma imagem contínua é criada pela passagem de 24 imagens por segundo. E também na nossa mente é disso que se trata: a ilusão de uma realidade contínua, que se desenrola separadamente do "eu" que observe.

Só que há aqui um pormenor importante: quem julga estar no filme/ilusão da realidade, é o Ego...não o "eu".

"Ego" acaba por ser uma ideia de um "eu" que existe separadamente daquilo que é observado no exterior. É o actor no filme. É o pensador - o corpo - o actor na ilusão de uma realidade continua.

É uma "entidade" com características únicas, tais como uma personalidade, um passado, competências e preferências, uma aparência e características físicas. É algo apegado à ilusão, às suas crenças e convicções e acredite que é realidade o que sente e pensa. Ego apega-se, procura estabilidade, acredita que há um status-quo que pode e deve ser mantido. Assim, também não tem espaço para experiências fora do enquadramento das suas crenças, da sua educação e cultura, acabando por ser preconceituoso, rejeitando o que é diferente do seu ideal.

O sofrimento do Ego

O Ego sofre, e acredita que é necessário impor condições para que não haja mais sofrimento. Acredita que a maneira mais certa de viver sem sofrimento, é seguir normas e aceitar verdades vindo da sociedade em que vive. Basicamente, quer seguir regras de vida para que a vida seja vivida como deve ser. Se olharmos à nossa volta, vemos que isso acontece em muitas formas: pessoas que pensam que não são suficientemente bons; pessoas que pensam que precisam de crescer e aprender para poder ser feliz; pessoas que tem um baixo auto-estima e amor-próprio, e procuram aprovação vindo do exterior

Mas paradoxalmente, a procura para viver de maneira certa, é uma negação de si próprio, porque o "eu" é muito mais do que o ego alguma vez imaginou que podia ser.

O momento de viragem acontece quando perdemos o norte, quando sentimos que não temos rumo. Quando há um pressentimento que não estamos a viver a Verdade.

Mas que Verdade? A única instância em nós que tem experiência de uma realidade, ou verdade, é o Ego. Também é a única instância em nós que tem noção de uma não-verdade.... é o Ego. Porque o Ego aprendeu não só ter em consideração o que pode acontecer no futuro, como também se habituou considerar verdade ou realidade o que aconteceu no passado.

São crenças que impedem ver as possibilidades infinitas do Agora. Podemos até afirmar que para o Ego é impossível ver no Agora outras coisas do que aquilo que aprendeu. E mais ainda: o Ego procura manter a sua posição, agarra-se às suas crenças...

É bastante curioso como tudo isso funciona. Sabemos que o conjunto das nossas crenças, características pessoais e personalidade é único e irrepetível. Sería absurdo considerar as experiências de alguém como verdade - não podemos saber o que é a experiência desta pessoa. Mas achamos que sim, que entendemos a experiência de alguém, e se esta não está em conformidade com as nossas próprias crenças, somos capazes de as rejeitar. Somos capazes de "negar" as experiências de outros, de não acreditar numa verdade diferente da nossa. O que resulta numa espécie de desumanização do outro, por assim dizer.

Por muito "iluminados" que somos, este é uma armadilha que está sempre à espera que caímos. Em que verdades acredita? Que imagem, que conceito tem de si, dos seus valores, das suas normas, das suas verdades?

O Ego está sempre a tentar manter as suas crenças vivas - até haver uma consciencialização que todas as percepções não são mais do que isso mesmo: são imagens percepcionadas. O único constante, a única verdade nesta equação é o observador: a Consciência.

O Caminho para o Eu, além do Ego 

No nosso caminho para a Verdade Interior, o processo de desapego ajuda libertar-nos da ilusão, e ajuda-nos a entender que objectivamente não há uma verdade ou não verdade. Vamos observando os nossos pensamentos, reacções, comportamentos e apercebendo que não há verdade ou não verdade neles, até poder aceitar a situação e sentir tranquilidade com cada uma destas percepções. Fazendo isso, gradualmente vamos recebendo a resposta à questão: Quem sou Eu?

 Estamos a falar sobre o processo de aceitação da nossa vida, a aceitação de quem somos. Importa não confundir aceitação com resignação - a aceitação liberta a carga emocional de uma memória ou situação, enquanto a resignação significa aceitar ter que carregar com a carga emocional.
Uma vez chegado à aceitação, podemos sentir gratidão: aquilo que aceitamos, faz parte de quem somos. E ser quem Somos é o que queremos. Só por isso já vale sentir gratidão por tudo que nos aconteceu.

Quando estamos no caminho da descoberta quem Somos, o Ego aprende observar e perceber que não há "verdade" na percepção. Não vale a pena julgar o que encontramos - nem sequer quando observamos algo desagradável. Tudo é tão "verdade" como é "não-verdade"... Podemos treinar a mente de pensar, cada vez que observe algo desagradável (como frustração, indignação, ira ou fúria, tristeza, solidão....) que não há "verdade" naquilo que observe. Mais ainda, podemos treinar a mente de sentir gratidão - porque no fundo, tudo que acontece é algo que te ajuda ser quem És.
É claro que no início pode parecer uma gratidão falsa - por ser criada de propósito. Mas gradualmente vai poder notar que assim o poder das emoções negativas, desaparece. Vai poder viver a sua vida, em vez de se sentir sujeito às más ondas.
O Caminho da Alma não é só um caminho de entender com a cabeça, é um caminho de aprender através da experiência. Basta começar a aplicar! Dizer "ah mas é tudo tão difícil" ou "estou ainda no início" são julgamentos a partir de uma ideia préfabricada que há uma norma ideal. Pensar "vou tentando, ainda não consigo" também é um pensamento vindo do Ego, que anseia fazer aquilo que é certo. Mas não, não há uma verdade única ou situação ideal que é preciso atingir. Existe somente o Momento em que estamos Agora.


(cont...)

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Lua Cheia em Touro... um momento de calma

Na altura do Equinócio do Outono, estava no ar a promessa de uma onda energética forte. Os eclipses do Sol e da Lua trouxeram turbulência, e se já sentiamos os mêses anteriores agitados e caóticos, a intensidade só parecia aumentar. Um período de transformação profunda - que coincidiu com o início do período da introspecção do Outono. Foi um tempo de mexer com todo o que estava guardado no lodo das nossas águas profundas.

Agora, quando a Lua estará cheia no signo de Touro, a 27 de Outubro, chegamos a um momento de calma, em que reina a sensação de força e sabedoria. Um momento de sentir consolidação após a reviravolta, em que vemos mais claro os nossos valores, objectivos e verdades.

Como em todas as Luas Cheias, chegamos a um ponto alto, e a luz da lua ilumina o que conseguimos, realizámos, manifestámos. A Lua estará no signo de Touro que traz estabilidade e enraizamento, conectando-nos com a doçura genuína da Terra. A ligação Terra-Lua é mais forte neste signo, fornecendo um ambiente em que sentimos que há estabilidade e firmeza na Terra, que temos aqui um lugar seguro para pôr os nossos pés e fazer o nosso caminho.
Altura de celebrar a Natureza, portanto. Um convite para fazer uma pausa nas actividades frenéticas do dia-a-dia. Reina uma vontade de serenar, acalmar e repousar na confiança calma da nossa verdade pessoal.
O Sol encontra-se em Escorpião, signo da verdade emocional. Escorpião trata daquilo que está escondido por baixo da superfície - e não é só Luz que encontramos aí. Somos feitos de opostos:  luz e sombra, positivo e negativo, morte e renascimento. Escorpião é o signo dos mistérios, da paixão, sensualidade, obsessão, e é altura de mergulhar nestas profundezas também. Há aspectos em cada um de nós que experimenciamos como negativo, que não gostamos de exprimir, e Escorpião convida-nos de amar incondicionalmente quem somos - o que inclui a luz e a sombra - para criar equilíbrio e plenitude.
Terá mais energia se perdoar as suas imperfeições, sem julgamento, sem crítica, observando apenas o que se passe por dentro. Deixa para trás o drama e a dor que a mente se habituou criar à volta da sombra. É hora de se libertar.

Meditação e Cerimónia da Lua Cheia
Terça feira, 27 de Outubro, 17h45
Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora
Para a cerimónia no Cromeleque, é costume trazer uma oferenda em agradecimento ao sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma pedrinha, uma flor, ou o que achar adequada para exprimir a gratidão.
A participação na cerimónia é por donativo.
Estão todos bem-vindos!

sábado, 26 de setembro de 2015

Lua Cheia de 27 de Setembro: Lua de Sangue; Eclipse Lunar!

Na noite de 27 de Setembro, a Lua Cheia surgirá detrás do horizonte no signo de Carneiro, para ser eclipsada, durante a noite, pelo Sol que está no signo de Balança.

Num período de dois anos este é o quarto eclipse lunar total - foi um período de grande turbulência emocional, não só internamente como globalmente. Os quatro tiveram lugar no eixo Balança-Carneiro e o eclipse deste fim-de-semana será o último nesta série extraordinária.

O tema da actual conjuntura é o Destino e Karma, representando um momento de escolhas cruciais nas nossas relações, sejam quais as formas das relações. Balança chama para olhar para as relações não só com o Outro, mas também a relação connosco. Carneiro traz a faceta do Eu: o Eu e o Outro.

Há uma energia feminina forte neste eclipse lunar total, oferecendo a possibilidade de enfrentar emoções intensas, como ira, tristeza, dor. Mas o momento também é de limpeza kármica, por isso será como nascer novamente, depois de ter passado por escolhas dolorosas. Quero evoluir? Quero crescer como ser humano? Ou vou me deixar presa ao passado, presa a emoções e a relações que não trazem felicidade?

Viver o nosso destino depende da nossa capacidade de viver no momento e sentir-nos no mundo em que encontramos agora. Se fizermos as escolhas à base do medo do outro, acabamos de viver no passado. Mas também podemos fazer as nossas opções à base do Amor Todo-abrangente.
Agora o universo incentiva para tomar as rédeas da nossa vida e fazer escolhas. Algo está prestes a mudar!

No silêncio do nosso coração vão surgir novas perspectivas para dar forma a nossa vida, e para criar relações saudáveis com o Outro. no momento da Lua Cheia em Balança podemos equilibrar as nossas polaridades para sentirmos novamente Um connosco, tal como a Lua em Carneiro pede. Parece que Sol e Lua nos pedem para lembrar que as relações saudáveis com os outros só podem ser criadas se estivermos em União connosco.

Meditação e Cerimónia da Lua Cheia
Domingo, 27 de Setembro, 18h45
Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora
Para a cerimónia no Cromeleque, é costume trazer uma oferenda em agradecimento ao sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma pedrinha, uma flor, ou o que achar adequada para exprimir a gratidão.
A participação na cerimónia é por donativo.
Estão todos bem-vindos!

Leitura recomendada: http://www.mysticmamma.com/full-moon-in-aries-blood-moon-total-lunar-eclipse-sept-27th-2015/

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

A agenda de Setembro...

Para a segunda metade de Setembro estão planeadas as seguintes actividades:

Meditação entre os Cavalos
Em conjunto com Monique Ros, e os cavalos de Vires Animaliae, organizamos mais uma Meditação entre os Cavalos, no dia 19 de Setembro (sábado). Será a última vez que a meditação terá lugar nesta quinta, antes de Vires Animaliae mudar para um espaço próprio, em Outubro.

O tema será: o nosso espaço pessoal.
Todos os seres vivos têm à sua volta diferentes campos energéticos (bolhas ou círculos) que podem ser sentidos ou vistos, e que experimentamos como o nosso espaço pessoal. "Sentir o outro" acontece nestes campos, de várias maneiras. A energia que pode ser lida através da linguagem do corpo, como sendo de revolta, passividade, calma, nervosidade, entre outros tipos de energia e vibrações que são legíveis no corpo. Podemos sentir energia ligada a emoções, disposição e estado (em geral são bem legíveis nos animais!).
Se sintonizamos realmente com o outro podemos detectar os campos energéticos, sob a forma de cores ou ondas de calor.
Desde cedo na vida fomos impregnados com maneiras de pensar recorrendo ao cérebro, pelo que praticamente esquecemos de usar a capacidade de sentir do coração. Os campos energéticos, ou seja, a energia vital, origina no coração! Os animais, e mais em particular os cavalos, podem ser os nossos mestres, levando-nos de novo a comunicar através e com o nosso coração!
Os cavalos têm a capacidade de abrir a frequência do nosso coração, se nós temos a coragem de permitir que isso acontece...
A meditação que propomos para o sábado dia 19, será novamente um encontro com os cavalos, privilegiando a experiência individual. Por isso propomos realizar duas sessões cada um com um nº limitado de participantes. Inscreve-se!
Reunimos em Évora para partilhar boleias e fazer a viagem (5 min. de carro) em conjunto.

Meditação entre os Cavalos
Sábado, 19 de Setembro. Quinta Madrugada, Évora.
9h30 - 11h. Encontro às 9h no parque de estacionamento do Pingo Doce na saída para Redondo.
18h - 19h30. Encontro às 17.30h no parque de estacionamento do Pingo Doce na saída para Redondo.

___________________________________________

Equinócio de Outono
Na manhã do dia 23 de Setembro, o Sol passa o Equador a caminho do Sul, no momento de Equinócio (9h22).  O hemisfério Norte recebe no dia do Equinócio a mesma quantidade de luz que o Sul; dia e noite têm a mesma duração. A partir do Equinócio do Outono, o Sol estará mais perto do pólo Sul da Terra. No hemisfério Norte, as noites aumentam e os dias ficam mais curtos. Tudo na vida se vira mais para dentro. Avançamos do Verão - altura de expansão, crescimento, acção, da energia masculina "Yang" - para o território de dentro. Viramos para "Yin" - a energia feminina, intuitiva, receptiva, criativa. A viagem para dentro vai culminar no Solstício do Inverno e chegar a fim no Equinócio da Primavera, quando a energia vira novamente, desta vez de dentro para fora...

Meditação do Equinócio: Gratidão
4a feira, 23 de Setembro às 7h00
Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora
Para a cerimónia no Cromeleque, é costume trazer uma oferenda em agradecimento ao sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma pedrinha, uma flor, ou o que achar adequada para exprimir a gratidão.
A participação na cerimónia é por donativo.
Estão todos bem-vindos!
___________________________________________

Viagem no Tempo - 4 ciclos de Vida. Equilíbrio.
No fim de semana de 26/27 de Setembro irá começar a primeira de 4 visitas a pontos chave de Portugal, pela sua intensidade e qualidade energética. Iremos, portanto trabalhar o nosso corpo físico, emocional e mental, integrados na vibração de cada espaço. Vamos fazer uma viagem de transformação!
A primeira viagem é dedicada ao Equilíbrio.
Após o equinócio de Outono vamos fazer o trabalho iniciático acerca do nosso feminino, fazendo uma meditação com taças tibetanas, digeridoos, címbalos e outros instrumentos ancestrais sobre o lago do Alqueva num passeio de barco.
De manhã, ao nascer do Sol, vamos trabalhar a energia masculina com a influência deste grande astro, no menir do Xarês.
À tarde do dia de Domingo, vamos fazer o trabalho de integração do feminino e do masculino no Cromeleque e menir dos Almendres em Évora. 

26 e 27 de Setembro, em Évora e Monsaraz.
Organização: AxasZen.
Informações e inscrições: email: info@axas-portugal.com ou por telefone: 919 298 849.

As outras viagens são:
Ciclo de crescimento e aprendizagem -  9/10 de Janeiro de 2016
Ciclo de descoberta e cura - 26/27 de Março de 2016
Ciclo do silêncio interior e sabedoria - 10 a 13 de Junho de 2016 (em forma de retiro)

__________________________________________

Meditação da Lua Cheia
Na noite de 27 para 28 de Setembro vamos ter um eclipse lunar total, começando às 01h11, estando no máximo às 03h47 e acabando às 06h25. Será visível em Portugal, se o tempo assim permitir.
O tema deste eclipse lunar podemos deduzir do símbolo Sabiano que é aplicável aqui: "um raio do Sol ilumina uma borboleta e aperfeiçoa-a." Ou seja: um fluxo de energia cósmica permitirá transformação....
Os seres humanos são a ligação entre Cosmos e Terra e o nosso corpo é o condutor das ligações. (usar ouro, ou um outro metal nobre é muito benéfico nestes dias...)
Já no último eclipse solar (13 de setembro) o tema era a interligação, e neste eclipse lunar vem até nós o convite de ultrapassar a polaridade; é altura de SER, em todos os camados do nosso Ser, para que o Ego aceita o seu caminho. Será possível libertar bloqueios antigos e frequências ultrapassadas, nomeadamente nos chakras na parte inferior do corpo, através da recepção de uma energia nova, de uma vibração alta!
(Info adicional acerca desta Lua Cheia mais perto da data neste blog!)

Meditação e Cerimónia da Lua Cheia
Domingo, 27 de Setembro, 18h45
Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora
Para a cerimónia no Cromeleque, é costume trazer uma oferenda em agradecimento ao sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma pedrinha, uma flor, ou o que achar adequada para exprimir a gratidão.
A participação na cerimónia é por donativo.
Estão todos bem-vindos!
_______________________________________

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

O que podemos aprender com os cavalos?

Na semana passada estivemos com um grupo a meditar junto aos cavalos de Vires Animaliae. Foi uma meditação curta, como que um "try-out" (ensaio) de meditação, para ver como a manada de cavalos ia reagir à entrada de um grupo tão grande no seu espaço.

(foto: Maria João Cebola)
A meditação que fizemos no início, fez com que todos os participantes conseguiram tranquilizar, enraizar e centrar a sua energia. Em seguida, os cavalos vieram de encontro às pessoas: curiosos, gentis, carinhosos.
Foi um fim de tarde agradável!

Gostaríamos de repetir esta experiência, numa sessão a organizar no dia 19 de Setembro (sábado). Será a última vez que a meditação terá lugar nesta quinta, antes de Vires Animaliae mudar para um espaço próprio, em Outubro.

O tema será: o nosso espaço pessoal. A Monique utiliza nos workshops "Comunicação com os Animais" conhecimentos sobre a energia vital e campos energéticos. * Com isso intende-se:
  • A energia que pode ser lida através da linguagem do corpo, como sendo de revolta, passividade, calma, nervosidade, entre outros tipos de energia e vibrações que são legíveis no corpo.
  • A energia ligada a emoções, disposição e estado, que em geral são bem legíveis nos animais.
  • E naturalmente os campos energéticos que podemos detectar ou sentir se sintonizamos realmente com os animais. Sentimos estes campos sob a forma de cores ou ondas de calor.
© Vires Animaliae, do curso "comunicação com animais"
Todos os seres vivos têm à sua volta três campos energéticos, também chamados bolhas ou círculos, que podem ser sentidos ou vistos. Desde cedo na vida fomos impregnados com maneiras de pensar recorrendo ao cérebro, pelo que praticamente esquecemos de usar a capacidade de sentir do coração. Os campos energéticos, ou seja, a energia vital, origina no coração! 
Os animais, e mais em particular os cavalos, podem ser os nossos mestres, levando-nos de novo a comunicar através e com o nosso coração! Os cavalos têm a capacidade de abrir a frequência do nosso coração, se nós temos a coragem de permitir que isso acontece...

A meditação que propomos para o sábado dia 19, será novamente um encontro com os cavalos, mas privilegiando a experiência individual. O número máximo de participantes será de 15 pessoas, havendo a possibilidade de fazer uma sessão de manhã e outro à tarde. 
Agradecemos por isso a inscrição prévia!

Sábado, 19 de Setembro. Quinta Madrugada, Évora.
9h30 - 11h / 18h - 19h30
Inscrição por email : cavalo.d.vento@gmail.com
ou por facebook na página www.facebook.com/Cavalodevento

* texto adaptado do blog: http://www.vires-animaliae.nl/#!Bij-jezelf-blijven/c1bt3/55681ab30cf23d0164ca641a

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Meditação entre os cavalos


6a feira dia 28 de Agosto será  a primeira noite do período da Lua Cheia. Em conjunto com Monique Ros e a sua manada de 20 cavalos organizamos uma meditação entre os cavalos, em plena natureza, perto de Évora.



A meditação não será no próprio dia da Lua Cheia (que é no dia 29), mas vamos sentir já toda a força, visto que será mais uma vez uma "SuperLua", posicionado mais perto da Terra e aparecendo maior do que normal. As marés serão mais altas e mais baixas do que regularmente!
A Lua aparece em Peixes, o signo relacionado com os oceanos, e com tudo que é sem forma, vasto, imaterial... as coisas que não podem ser descritas em palavras. É o signo da intuição e da ligação com o Divino. Peixes é o último signo do Zodiaco, por isso uma Super Lua neste signo certamente vai trazer um fecho num ciclo da Alma. O efeito do "fim do ciclo" poderá irradiar para outras áreas da vida, em que algo correrá para o seu fim - com todas as emoções associados.
Com o Sol em Virgem podemos encontrar equilibrio quando libertamos o julgamento, ressentimentos, e necessidade de controlo, para começar a cultivar a aceitação no Aqui e Agora. É o momento de nos entregarmos e reconhecer que há alturas em que não há solução ou alteração à vista, e que fizemos tudo o que estava no nosso poder e o que achamos certo.
Nesta Lua Cheia a conjuntura convide para sermos humildes, transcender e libertar as nossas emoções e começar de novo.

Ao juntar-nos em meditação aos cavalos de Vires Animaliae, vamos aproximar-nos mais da Mãe Terra e do nosso estado natural. A proximidade do cavalo - um ser sensível e social  vai nos lembrar da nossa natureza, da nossa alma antes da confusão mental e emocional. O processo de libertar e equilibrar será facilitado pelos próprios cavalos.


 A organização Vires Animaliae recebe cavalos que são de algum modo rejeitados pelos seus donos, ou para os quais a medicina veterinária não tem resposta. Cavalos feridos, ao nível emocional, psicológico ou físico, são reabilitados com carinho e compaixão. Recebem treino adequado à sua situação, de modo que podem ser reintegrados na manada. Os cavalos vivem em grupo de maneira natural. Estão habituados a pessoas e ao trabalho terapêutico com pessoas/grupos.
O trabalho de Vires Animaliae (" A força do reino animal") visa não só a reabilitação dos cavalos, como oferece ao ser humano uma aproximação ao reino animal, para um melhor entendimento de si mesmo, através de programas de treino em comunicação com o cavalo, coaching, ou terapias individuais


MEDITAÇÃO ENTRE OS CAVALOS
quinta Madrugada (2 km de Évora)
sexta feira, 28 de Agosto das 19h30 às 20h30

Trazer calçado adequado ao campo!

Ponto de encontro às 19h00 na casa atrás da Sé (Largo dr. Mário Chicó, Évora). Sairemos em conjunto para a quinta Madrugada.





segunda-feira, 27 de julho de 2015

actividades de Agosto / Setembro

Para os que não receberam o mail e que me pediram informações: 

Na noite de 31 de Julho, vamos poder assistir à segunda Lua Cheia de Julho - uma Lua Azul.
Com o Sol em Leão, a Lua aparece em Aquário. A Lua mostra como podemos experimentar a energia cósmica do Leão, através dos aspectos emocionais associados a Aquário.
A energia cósmica do signo de Leão está centrada no coração, e é sentido dentro e através do coração. Leão é o signo do Sol, centro do sistema solar, uma estrela que arde com um fogo intenso, oferecendo à Terra e às almas que a habitam, calor, luz, energia. É considerada a influência mais poderosa na astrologia, oferecendo vitalidade e autoridade. Leão é o signo da confiança, porque sabe o que está no centro da vida: criatividade, amor, generosidade perante o outro, mas também um sentido profundo do Eu.  A força cósmica do Leão ajuda a estabelecer uma auto-confiança, que nasce da noção que cada um é responsável para as escolhas que faz na sua vida. Há força em cada um, e quando assumimos a responsabilidade pela nossa vida, deixamos de ser vítimas da situação - mesmo quando se trata de situações complicadas ou limitadoras. Precisamos da energia do Leão nos tempos que se avizinham. Estamos a mudar um mundo que parecia preso nas consequências dos seus próprios actos.
No outro lado está a Lua, em Aquário. Signo de Ar, simboliza a Mente Cósmica. O símbolo do signo Aquário é o Ser Humano que traz uma bilha de água, para distribuir dois fluxos de energia cósmica - a todos que precisam e solicitam. Como se fossem dois rios: um com a água da vida, o outro um rio de Amor. Aquário é por excelência o signo que pede uma visão alargada, para que os talentos e dádivas individuais possam ser posto ao serviço da Terra e ser utilizados em benefício de todos.
A Lua Cheia com Sol em Leão pede para reflectir sobre o egocentrismo e o serviço à humanidade... o que motive os nossos actos?

Vamos celebrar a Lua Cheia na noite de
sexta feira, 31 de Julho de 2015, às 20.30h
Local: Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora
É costume trazer uma oferenda para agradecer ao sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma flor... ou o que achar adequado para exprimir a gratidão à Mãe Terra.
A contribuição para a cerimónia em si, é por donativo.

Em seguida vamos fazer uma caminhada ao Luar. Com início na aldeia de Guadalupe, até à Anta de Zambujeiro em Valverde. São cerca de 5 km, em terreno plano. Percorre-se um antigo caminho rural, dentro de uma herdade, ainda com actividades agrícolas, onde poderão tomar conhecimento com a sua história e principalmente com a questão da Reforma Agrária. Uma parte importante da história contemporânea do Alentejo, que muito influenciou a maneira de ser e estar das suas actuais populações. A caminhada será guiada pelo meu marido, que já realizou vários documentários sobre este assunto e em especial a história destas aldeias circundantes.
Não se esqueçam de levar a máquina fotográfica!
É aconselhável calçar sapatos fechados (nada de sandálias) . Em Valverde podem seguir para as festas da aldeia, para um refresco ou uma ceia...
Caminhada na Lua Cheia: Guadalupe - Anta Grande de Zambujeiro
sexta feira, 31 de Julho de 2015
inicio previsto às 21h30 (logo a seguir da meditação de Lua Cheia)
Agradecemos inscrição por mail ou através do blogue Cavalo-de-Vento.blogspot.pt, para que a logística de transporte possa ser assegurada.

___________________________________

O Portal do Leão
dia 8 de Agosto deste ano é uma data com um significado simbólico especial: 8-8-2015 ou em termos da numerologia: 8-8-8. O número 8 é conotado com harmonia, equilíbrio, abundância e força/poder. Visto de lado, o 8 torna-se o símbolo da infinidade ∞ - muito adequado para os tempos que vivemos, porque estamos cada vez mais a assumir o nosso papel de co-criadores de um mundo novo, com possibilidades criativas infinitas!
Dia 8 de Agosto é o ponto alto do período conhecido como o "portal do leão". Este portal está aberto entre 25 de Julho (o dia-fora-do-tempo dos antigos Egípcios, quando Sírius se alinha com o Sol e a Terra, anunciando o início de um novo ciclo) e 12 de Agosto. Ondas de Luz vindo do centro da nossa galáxia banham a Terra, muita energia chega, para apoiar o nosso planeta na sua evolução. 
A energia favorece a Manifestação, vamos poder aproveitar o canal aberto para que a nossa criação seja lançada para o Universo.

Sessão de Sons
sábado, 8 de Agosto de 2015, às 20h (convém chegar 15 min antes)
Local: Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora
É costume trazer uma oferenda para agradecer ao sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma flor... ou o que achar adequado para exprimir a gratidão à Mãe Terra. Para o seu conforto, pode trazer uma manta para se sentar ou deitar.
Participação por donativo.

___________________________________

Próximas actividades
A Lua Cheia de Agosto será celebrada na quinta-feira, 30 de Agosto, às 20.15h
Celebração do Dia Mundial da Deusa: Domingo 6 de Setembro. Workshops, meditação, celebração no Cromeleque dos Almendres. Ver programa próprio no Facebook
Cerimónia para o Equinócio do Outono: quarta-feria, 23 de Setembro, 07.00h
Lua Cheia de Setembro (Eclipse lunar total) 28 de Setembro, 19h30h
___________________________________

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Transformar o pequeno e grande sofrimento

Uma motivação comum para começar com a meditação, é o desejo de encontrar a calma interior. Uma calma que afasta aqueles pensamentos negativos que invadem a nossa mente - normalmente nos momentos mais inesperados. Podemos interrogar-nos se esta expectativa é realista, e foi colocado uns tempos atrás uma reflexão sobre esse aspecto da meditação (ver aqui). Mas vou voltar ao assunto, porque a questão é persistente, tanto em perguntas de participantes na meditação, como na minha prática pessoal.

Um amigo colocou a imagem que está aqui ao lado no seu mural :D
Por vezes identifico em mim a mesma sensação. Também me acontece ser confrontada com pessoas que parecem querer exasperar o outro de propósito. E sei que não sou a única a quem acontece, porque chegam pessoas à meditação que me perguntam: O que se passa? Estamos a falhar o alvo? Existe a sensação que fazemos este trabalho interior todo, reflectimos, meditamos, observamos - e mesmo assim deixamos que alguém nos desequilibra??

Os mestres ensinam que não vale a pena procurar eliminar as emoções disruptivas através da práctica da meditação - essa procura é como perseguir uma ilusão. O que se procura desenvolver na meditação é a capacidade de levar a atenção directamente e imediatamente para aquilo que é sentido e repousar aí, com amor e bondade e com atenção plena.

Quando sentimos emoções disruptivas ligeiras, esta tarefa parece ser relativamente simples. Os pequenos incidentes do dia-a-dia até são oportunidades óptimas para treinar a auto-compaixão. Estou a falar de disrupções emocionais pequenas, que embora possam ter uma influência naquele dia, não impedem que a vida seja vivida normalmente. Coisas que surgem de uma situação específica: uma reunião em que o teu trabalho foi rejeitado; uma discussão com um amigo; um cliente com uma queixa; o carro que precisa de reparação quando já não há dinheiro para isso - ou simplesmente um "dia-não". Uma solução para estes sentimentos negativos é sentar em meditação, com a disposição do momento, e sim, sentir a emoção. Permitir que ela existe. Pema Chödron chama a isso: encostar-se  à emoção. Sentir - e mais nada. Nada de conclusões, ou procura de soluções. Nada de julgamentos. Nada de histórias. Sentir sem desencadear logo uma narrativa através de  pensamentos do tipo "sinto isso e a culpa é dele"; "não sou capaz de ter uma boa relação"; "falhei, devia ter feito aquilo de outra maneira"; "isso sempre me acontece"; "os meus pais não souberam educar-me" etc etc. Se este drama pessoal arranca, precisamos de intervir: libertar logo o pensamento e levar a atenção de volta à sensação no corpo, observando o que há para observar - calor, frio, tensão, desconforto, dor difusa aqui ou ali...). A técnica consiste em tornar a observação uma exploração de fundo, descrevendo com precisão as características das sensações.
A atenção plena sem julgamento, sem narrativa, sem drama, funciona da mesma maneira que o amor incondicional. Tal como uma mãe trata o dói-dói do filho depois de ter caído da bicicleta: ela observe, vê sem dramatizar, com toda a sua atenção, a ferida (se ela existe!), limpa, cuida e dá um beijinho no dói-dói. Atenção plena, sem drama. O resultado mais provável é que a dor desaparece e a criança volta a brincar.
Parece que a atenção plena e amor incondicional estimulam o corpo e o metabolismo das células, fazendo com que conseguimos digerir as experiências e voltar a sentir uma energia positiva.

É claro que há sensações negativas que não desaparecem tão facilmente só porque criámos espaço para sentir. Estas sensações dolorosas mais difusas podem existir por muitas razões - pode ser uma baixa auto-estima ou um conflicto interior recorrente que teima em criar obstáculos e que não sabemos como mudar. Estou a falar do género de mal-estar que parece acompanhar-nos durante grande períodos, como se fizesse parte de nós. Aqui a aproximação de "sentir a emoção e permitir que ela existe" não é suficiente. Começando na mesma com a observação e atenção, precisamos de avançar para mais: uma amizade com a emoção. O que realmente importe numa amizade é estarmos interessados em quem é o nosso amigo. Uma curiosidade genuíno, caloroso, sem segundas intenções. A nossa dor também gosta deste tipo de atenção. Ao dar atenção sem segundas intenções, até podemos descobrir que conseguimos gerar um sentimento bondoso e aberto. Em vez de vencidos pela dor, aliamos a ela e encontramos nela uma razão para gerar amor e bondade e auto-compaixão - e isso dá força!

Outras dores há que são ainda mais profundas - a dor após perder um ente querido, a dor de uma doença incurável na família. Uma dor derivada de uma situação sem solução, sem alternativa. Quando tudo de repente está completamente diferente e vai ficar assim.
Aqui a meditação pode oferecer uma porta para a aceitação. Olhando para a dor, sem julgamento, sem outra narrativa associada, podemos ver que o sofrimento não é eterno. Gradualmente a dor mudará de carácter, e entendimento surgirá.

O sofrimento tem um objectivo nobre: a evolução da consciência e a transformação do Ego. O Ego pode estar a dizer: "Eu não devia estar a sofrer" - o que faz surgir a sensação de ser vitima, e sublinha ainda mais a sensação de sofrimento. O objectivo da Alma é a transformação; tentar evitar ou eliminar o sofrimento vai abrandar o processo de transformação. A resistência contra o sofrimento e a luta interior contra a dor vai criar ainda mais Ego.
Aceitar o sofrimento vai acelerar o processo de transformação, porque começamos a sofrer com cuidado e atenção. E da sensação ardente da dor nascerá a Luz da Consciência.

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Lua Cheia em Touro: Wesak, a festa do Buda

Na segunda feira, o momento exacto da Lua Cheia será de madrugada, às 4h43m hora de Lisboa.
Vamos celebrar na noite de domingo, 3 de Maio, ao nascer da Lua/pôr do Sol, a partir das 19h45, no Cromeleque dos Almendres, em Guadalupe, Évora.
Quando o Sol está em Touro, é celebrada a festa da Wesak na altura da Lua Cheia. (há textos acerca desta festa, clique aqui ou aqui)
Deixo aqui também um vídeo sobre a celebração de Wesak, que inclui sugestões para poder usufruir de forma melhor a energia que fluirá para a Terra durante o período da Lua Cheia.
(existe também uma versão em inglês)

Wesak é uma ocasião extraordinária para sintonizar com a consciência universal para a criação de Paz na Terra. Todas as pessoas empenhadas na sua evolução espiritual, que meditam e abrem os seus sistemas para a energia divina entrar, podem contribuir para que seja aberto um portal de Luz. A intenção é que a energia do Amor e Bondade, a energia da vontade de fazer o Bem, posso ser recebida pela Humanidade.

A Lua Cheia deste fim de semana anuncia dias intensos. O período da Lua Cheia é sempre uma altura propícia para a introspecção. A Lua vai iluminar os lugares mais escuros que temos cá dentro, para lembrar que aquilo que se encontra na sombra também faz parte de nós e merece a mesma atenção, amor e bondade como aquilo que gostamos de nós. Aquilo que vamos encontrar, será a verdade. O melhor que podemos fazer é olhar para a verdade e aceitar, sem julgamento, o que encontramos. Os tempos do fazer de conta passaram, já não será possível pretender que somos perfeitos ou  disfarçar aquele feitio complicado. Mais vale sermos honestos e abraçar o que encontramos, porque é no reconhecimento de quem somos por inteiro que encontramos força para a nova fase.

Domingo, 3 de Maio, às 19.45h
no Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora.

Para a cerimónia no Cromeleque, é costume trazer uma oferenda em agradecimento ao sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma pedrinha, uma flor, ou o que achar adequada para exprimir a gratidão.
A participação na cerimónia é por donativo.
Estão todos bem-vindos!

sexta-feira, 3 de abril de 2015

4 de Abril: Eclipse Lunar, Lua de Sangue - Portal da Liberdade

A Lua Cheia que vamos viver no sábado, 4 de Abril é especial.
Quando surge, o Sol está em Carneiro, e será a primeira Lua Cheia do ano astrológico, associada à Páscoa. 
O signo de Carneiro simboliza o Início, o nascimento de algo novo. O signo é muito bom em iniciar novos ciclos que podem levar a revelações.
No início do ciclo da vida, a Luz flui, a partir da Consciência Divina, para o ser humano, de modo que se dá o início da consciência individual. Este fluxo, que estimula a inteligência do ser humano, é particularmente criativo.

 É neste altura do ano que pessoas podem se sentir inspiradas para fazer novos planos, mudar de rumo na vida, sentir o impulso de começar um negócio próprio ou uma obra de arte, fazer o primeiro passo para uma renovação interior... ou a alma pode fazer o primeiro passo para incarnar de novo.
O signo de Carneiro é o lugar-tempo onde nascem ideias e onde nasce o impulso de transformar a ideia em acções concretas.
Podemos dizer que a festa associada ao Carneiro, a Páscoa, é um evento planetário, porque a energia está disponível para a humanidade inteira!

Mas esta Lua é especial também por outra razão: a Terra vai estar entre Sol e Lua, provocando um eclipse lunar total. Por um curto período, a Lua vai aparecer vermelha como sangue. Será visível na América do Norte, mas aqui sentiremos igualmente o efeito.
Será o fecho do período iniciado pelo eclipse solar total de 20 de Março, e podemos sentir a energia como se fosse um reforço do portal que se abriu naquele dia em que o Equinócio coincidiu com a Lua Nova e o eclipse solar total.

Um portal para uma vida nova, em que finalmente podemos sentir o passado na sua essência: sendo passado. Já foi. Olhando para trás podemos dizer, sem remorsos, sem ressentimentos, vergonha ou culpa, que passamos por isso tudo. E que agora somos quem Somos - Seres livres.

É claro que na aproximação de um portal desta natureza, a conflitualidade pode estar no ar. Ainda mais porque continuamos a sentir o efeito da ultima quadratura entre Urano e Plutão. A mudança deixou de ser uma opção!
Agora mais uma vez, podemos abrir-nos para a energia do Universo e sintonizar-nos com a onda de mudança que flui para a Terra pelo portal que se abrirá. Podemos tomar consciência que Somos seres livres, por natureza, intrinsecamente. Somos Seres Divinos, capazes de criação e por natureza livres de manipulação, controlo ou dependências. Podemos sentir, aqui e agora, que não temos obrigação de sentirmos sujeitos ou vítimas da mesma manipulação, controlo ou dependência.
O portal que se abrirá, traz a energia da Liberdade.
Que todos os seres possam conhecer a Liberdade.

sábado, 4 de Abril, às 20h
no Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora.

Para a cerimónia no Cromeleque, é costume trazer uma oferenda em agradecimento ao sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma pedrinha, uma flor, ou o que achar adequada para exprimir a gratidão.
A participação na cerimónia é por donativo.
Estão todos bem-vindos!

 

Somente ficamos perturbados se assim quisermos!

Buda estava sentado debaixo de uma árvore Banyan.

Um dia, um brâmane furioso chegou junto a ele e começou a tentar insultá-lo. O brâmane pensou que Buda iria retribuir da mesma maneira, mas, para a sua surpresa, não havia a menor mudança na expressão do seu rosto.

Agora, o brâmane ficou mais furioso, e gritou mais e mais abusos para o Buda.
No entanto, Senhor Buda estava completamente impassível. Na verdade, havia um olhar de compaixão no rosto. Finalmente, o brâmane estava cansado de o insultar.
Ele perguntou: "Tenho estado a insultá-lo, por que não está com raiva?"
Buda respondeu calmamente: "Meu querido irmão, eu não aceitei um único insulto vindo de vôs."

"Mas ouviu-me dizer todos ou não?", o brâmane perguntou já mais fraco.
Buda disse: "Eu não preciso dos insultos, então por que deveria sequer ouvi-los?"

Agora, o brâmane ficou ainda mais confuso. Ele não conseguia entender a resposta calma de Buda. Olhando para o rosto perturbado, Buda explicou ainda: "Todos esses insultos permanecem consigo."

"Não pode ser possível. Atirei todos eles para si," o brâmane persistiu.

Buda repetiu calmamente a resposta: "Mas eu não aceito nem mesmo um único abuso vindo de si! Querido irmão, suponha que você da algumas moedas a alguém... se ele não as aceitar, com quem ficarão essas moedas?"

O brâmane respondeu: "Se eu dei as moedas e ninguém as necessita, então, naturalmente, elas iriam ficar comigo."

Com um sorriso significativo em seu rosto, Buda disse: "Agora você está certo. O mesmo aconteceu com os seus abusos. Você veio aqui e atirou os seus insultos a mim,
mas eu não aceito nem um. Assim, todos esses abusos continuam consigo. Portanto, não tenho razão de estar zangado consigo. "

O brâmane ficou mudo. Ele tinha vergonha do seu comportamento e pediu perdão a Buda.
Buda perdoou e respondeu: "por favor, perdoe-se também."



Amor, calma e paz são as chaves para uma vida contente.
Lembre-se quem verdadeiramente É e o que quer na vida, inserido no Todo. Não há necessidade de responder ao que o outro diz quando partilha a sua raiva, ciume, enveja, ou desequilíbrio. Respira e deixa passar estas energias, transformando-as gentilmente e com paciência em Amor. Ser Amor e Bondade é o melhor presente que pode dar a si próprio - e através de si, ao Tudo-Que-É. 
Perdoe a si mesmo e ao outro por todo o sofrimento que tem sido perpetuado, até agora. Aqui e Agora, a cada momento e todos os dias, podemos começar a criar um novo mundo, um mundo de Amor e Bondade.

quarta-feira, 4 de março de 2015

Lua Cheia em Virgem, Sol em Peixes: A viagem chega ao seu destino

Uma outra designação do Zodíaco é "a Roda da Vida". Podemos olhar para os signos e perceber o significado de cada um. Indo para um nível mais profundo podemos ainda perceber a relação entre os signos e com os acontecimentos e experiências da nossa vida. Descobrindo estas relações podemos descobrir o como e porquê do caminho da nossa Alma.

É a Alma que se conecte com a matéria, que "encarna". É a Alma que habita o corpo físico para poder ganhar experiência na dimensão da dualidade. É a Alma, que através dos processos do corpo emocional, aprende o caminho de volta para a União com a dimensão espiritual, com o Grande Espírito.
Quando a Alma se una a um corpo humano, no processo do nascimento da criança, começa um aprisionamento temporário. A Alma vai ser acorrentada à matéria do corpo. No decorrer do tempo da vida da forma física vai se desenrolar um processo de desapego. Gradualmente, a Luz da Alma vai entrando nos sistemas e iluminando a vida. A matéria perde a sua força de atracção e o Ser Humano vira-se para assuntos mais espirituais. Eventualmente, o processo de libertação leva a uma transformação profunda: a personalidade "morre". A Alma deixa de precisar experiências emocionais e pode voltar para o Uno, de onde veio e de onde partirá para outra aventura.


A Roda da Vida, representada no céu pelos 12 signos, simboliza o Caminho da Alma na Terra. Este caminho leva-nos à revelação da dimensão divina do Ser Humano. A energia celeste, simbolizada pelos signos, vai empurrando a personalidade e o ego do Ser Humano, enriquecendo-o com experiências, entendimento, amor e bondade, sabedoria e compaixão,  até este chegar ao seu destino: a União da Alma com o corpo - ou se quiser, a espiritualização da forma.
O nosso destino é a libertação, que acontece quando a Essência Vital (a nossa consciência) deixa de sentir a forma (o corpo físico e o corpo emocional) como sendo uma limitação.

Peixes é o último signo desta Roda da Vida, e a sua energia promove a libertação. Todos os anos somos lembrados pelo signo de Peixes que precisamos de nos libertar. Todos os anos somos convidados a desapegar de desejos, coisas, pensamentos, hábitos, relações, para que possamos transformar mais uma faceta da nossa personalidade e do nosso ego.

(fonte)
O símbolo de Peixes é formado por dois peixes que estão unidos por uma fita. Um dos peixes representa a Alma, o outro represente a personalidade ou forma. A fita entre eles é a ligação que os una enquanto o ciclo de incarnações dura. A forma/personalidade e a alma aprisionam-se mutuamente, mas também se libertam mutuamente.


Assim podemos perceber que a energia de Peixes, acaba por tornar mais súbtil  e menos densa, a energia da matéria. A sensibilidade inata do ser humano é estimulado, e torna-o mais aberto para impressões vindo de outras consciências e outras presenças. Estimula a mediunidade, como estimula igualmente o calor humano e a compaixão necessário para a libertação do eu e do outro.

Esta Lua Cheia é a última no "ano espiritual". É o fim de um ciclo que recomeçará quando entramos no signo de Carneiro.

Este mês vamos fazer a meditação da Lua Cheia no dia 5, na sala de meditação em Évora, e
sexta-feira, 6 de Março, às 19.30h
no Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora.

Para a cerimónia no Cromeleque, é costume trazer uma oferenda em agradecimento ao sítio: um pau de incenso, um pouco de água, uma pedrinha, uma flor, ou o que achar adequada para exprimir a gratidão.
A participação na cerimónia é por donativo.
Estão todos bem-vindos!

 

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

A dedicação e a disciplina fazem parte do caminho

A Lua Cheia é sempre bela e forte
Às vezes surge a pergunta: mas como sei que vai haver ou não meditação da Lua Cheia, se o tempo estiver mal? A resposta é fácil: a meditação da Lua Cheia realiza-se à hora que foi anunciada, faça chuva ou faça sol.
Já escrevi aqui acerca da importância dos rituais (click para ver post) e também sobre como os nossos rituais pessoais possam ser vistos na luz da tradição (click para ver post).
No caso das meditações de Lua Cheia no Cromeleque há ainda um outro elemento, que me leva a ir vez após vez ao Cromeleque - o compromisso que assumi de manter viva a tradição de marcar os ciclos da Natureza no sítio do Cromeleque, este monumento ao tempo e ao Universo. O círculo das pedras guarda a memória dos povos que sentiram a necessidade de marcar os ciclos anuais para poder orientar a sua existência. Assim, o Cromeleque é, ainda hoje, uma homenagem à procura do Ser Humano do seu lugar no Universo. Celebrar os ciclos, presencialmente, com intenções, palavras e gestos, mantém vivo e re-afirma que estamos conscientes que precisamos, agora como outrora, de nos conectar com o "grande conjunto". O Ser Humano não mudou tanto quanto a sociedade possa querer que acreditamos. Precisamos de marcas, faróis, guias para nos orientarmos.

Celebrando os ciclos nos lugares onde os nossos antepassados celebraram igualmente a sua ligação à Natureza, seguimos a tradição e juntamos à consciência colectiva. Juntamos a nossa à energia que foi criada por todas as mentes que já rezaram no mesmo sítio (ler mais) . Manter a energia viva, dedicando o nosso coração e meditando no espaço onde tantos outros já meditaram, é assim um serviço para o Bem Comum. Os rituais e cerimónias ligados à Natureza servem um propósito maior!
Para todos que participam nestas meditações, há naturalmente também algo pessoal - tudo o que se faz para o Bem Comum, acaba por ser construtivo e positivo para o individuo. Para além deste retorno natural e automático, há o aproveitamento imediato da energia harmoniosa do lugar... Mas talvez não seja este o "ganho" maior.
O simples facto de ir, de dedicarmos um pouco do nosso tempo e esforço, de comprometermos com algo, e consequentemente a disciplina que precisamos para mantermos ligados aos ciclos, torna-se um contributo muito importante para o caminho espiritual.
O próprio ritual acaba por ser uma preparação e um treino para a mente ter mais facilidade de se entregar. A mente é treinada para aceitar que pertence à União, ao Aqui e Agora, em vez de seguir a sua tendência natural de se centrar no ego e de se separar no tempo.

E isso é de facto uma libertação! A mente começa a se habituar que não existe para girar a volta de si própria, mas sim para perceber o seu lugar no conjunto. Assim pode entregar-se e aceitar a União que existe e perceber que só existe o Eterno Agora. Nesta entrega, a consciência pode realmente juntar-se à Consciência Universal, onde tudo tem um lugar próprio, onde tudo tem uma função, onde tudo é preciso para todo o resto poder funcionar. As limitações, restrições e apertos do dia-a-dia perdem as proporções inflacionadas pelo ego.
Na entrega ao Eterno Agora, a distinção entre o Bom e o Mal perde importância: há energia harmoniosa ou desharmoniosa, e fluímos constantemente entre os dois polos. Nada é estática, tudo muda, continuamente. Não existe algo como "dependência" mas sim "interdependência" - há igualdade, mesmo quando o nosso ego quer fazer-nos crer que as circunstâncias exteriores dominam a nossa vida. Na interdependência somos co-criadores da realidade, participantes activos. Somos a vida - todos juntos.
Os rituais treinam a mente, ajudam a criar condições para que o ego aceita fazer um passo para trás para a energia universal poder entrar. Para isso é preciso disciplina, dedicação, e algum esforço... caminhar é assim mesmo.

A celebração dos ciclos da natureza é um ritual antigo, mas o que funciona para uns, pode não funcionar para outros. Há quem faça peregrinações; há quem faça prosternações. Há quem vai à missa; há quem se disciplina com yoga ou tai-chi. Cada um vai criando os seus próprios rituais. Quem já encontro a sua maneira sabe, que o método não é o mais importante - o mais importante é o caminhar em si. Não caminhamos para a felicidade - a felicidade é o caminho.


terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

A Lua Cheia em Leão, Sol em Aquário: uma lua de celebração!

Todas as Luas Cheias são alturas em que a consciência está mais aberta, alturas em que os sonhos e emoções parecem tomar conta do mundo real. Esta noite, a Lua Cheia está em Leão, indicando que as emoções do coração estão no centro. Amor está no ar! Com o Sol em Aquario, o signo do serviço à comunidade, o tema desta Lua Cheia é o equilibrio entre o amor individual, da nossa vida pessoal, e o amor humanitario.

Passamos, ano após ano, vida após vida, vezes sem conta, pelo ciclo do Zodíaco . Os seus 12 signos representam aspectos do crescimento espiritual e as experiências da alma do Ser Humano. Temos - mesmos não tendo memorias vivas disso - experiência com as energias dos signos, e reconhecemos a sua influência na nossa vida. São como sinais no nosso caminho, levaram-nos até onde estamos agora.
Mas os tempos que vivemos agora, são diferentes do passado, e as forças e energias de Aquário e Leão estão em transformação profunda - como podemos ver nas transformações tanto na consciência individual e como na consciência colectiva.

Tudo o que não é livre, todos que não vivem a partir do seu verdadeiro Eu, que não vivem a sua unicidade, todos que esqueceram de basear a sua acção na integridade e justiça, vivem tempos de sofrimento e grande pressão. É uma arena, de onde sai vitorioso o ser humano da Era do Aquário. Simbolizado pelo "homem que carregue uma bilha de água", é um ser humano consciente de si, que traz a "água da vida" que flui naturalmente, para si proprio e servindo a comunidade em que está inserido.

Na práctica, isto pode significar que finalmente permitimos viver a verdade que somos a essência da nossa vida - o nosso desenvolvimento interior, a relação que temos com o Ser que somos. Assim podemos irradiar, naturalmente, sem querer controlar seja o que for, sem querer ser diferente, sem desejo de poder e sem medo. Tal e qual Aquário, símbolo por excelência da Liberdade, Igualdade e Fraternidade.


A Lua Cheia em Leão é fenomenal, cheia de energia positiva. Uma Lua de celebração, um prémio energético para o trabalho interior árduo e intenso que passamos nos últimos mêses. A Lua Cheia é acerca de colher o que semeamos, por isso, vale a pena lembrar onde estivemos na última Lua Nova, por volta do dia 20 de Janeiro e connectar os pontos para ter uma linha.

Meditação da Lua Cheia
3a feira, 3 de Fevereiro, a partir das 17.45h no Cromeleque dos Almendres, Guadalupe, Évora.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...