Cada um de nós tem uma chave para a sabedoria universal dentro de si. Abrindo o coração, entrando no silêncio, podemos aceder ao conhecimento que o vento murmura.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

As múltiplas dimensões do Ser Humano


Este texto foi escrito em jeito de resposta às muitas perguntas que me são dirigidas sobre a multidimensionalidade. Não é mais do que uma introdução, quando muito é um olhar global sobre o tema, sem pretensões de ser completo. Baseando-me nas minhas proprias experiências e aprendizagens, e transmitindo aquilo que me é dado para entender, juntei umas observações que espero úteis para uma reflexão mais profunda sobre a verdadeira natureza humana.
_____________

O Ser Humano é um Ser Multidimensional: é simultaneamente um ser material, biológico, emocional, psicológico, espiritual e energético. Abrangemos muitas dimensões, que podemos igualmente entender como sendo "planos de consciência".

Poder integrar todas estas dimensões num só Se coerente e harmonioso, que vive fiel à sua essência original, é tido como o sentido da vida humana.

Fala-se muito da “ascensão da terceira à quinta dimensão” – mas o que significa esta frase? Terá a ver com as dimensões tal como as aprendemos na escola, em que há comprimento, altura e profundidade, e a quarta dimensão é o tempo? Se esse fosse a única explicação, nunca poderemos conhecer a quinta dimensão, porque tudo o que nos é dado a conhecer tem essas dimensões – e a ferramenta de que dispomos para aprender, o seja, a capacidade do nosso corpo, ela própria é composto por essas dimensões.

Um olhar diferente que pode ajudar uma compreensão diferente, é nos oferecido quando usamos como ponto de partida não o nosso corpo físico, mas a nossa existência energética. É possível ter uma experiência direta das diferentes camadas energéticas que compõe a vida. Podemos tentar descrever em palavras o que são essas camadas, e de que maneira elas estão nas nossas vidas, embora seja sempre uma descrição parcial. A experiência directa ensina muito mais do que as palavras alguma vez possam oferecer. No dia-a-dia, temos mais consciência da terceira e quarta dimensão, mas todas as dimensões encontram-se presentes e são acessíveis.
O que apresento aqui é um olhar muito resumido, há tanta informação a passar que podia escrever um livro sobre estes assuntos... Este texto, quando muito, servirá de introdução...

A primeira dimensão está ligada ao centro da terra. É o início de todas as formas de matéria e vida na Terra! Pela rotação da Terra e, com ela, de todas as estruturas químicas das pedras, metais e cristais, a Terra tem um campo energético forte. Ela emite ondas electro magnéticas - é uma entidade como um espirito. E cada mineral, cada cristal, tem a sua frequência própria, a sua identidade. É a partir destes elementos que todas as formas de vida nasceram.

O contacto com a primeira dimensão é fundamental para o nosso enraizamento e o contacto com o nosso corpo.

Se precisamos de cura a esse nível, por exemplo porque temos deficiências de certas minerais no nosso corpo, podemos recorrer a suplementos – por exemplo, o suplemento de magnésio, que é fundamental para o bom funcionamento do sistema nervoso e muscular.

Outro aspecto da cura ao nível da primeira dimensão é encontrado na cura de cristais, em que se recorro ao contacto físico com os cristais para a harmonização do corpo. Deixamos que a “consciência” do cristal fala com o corpo...

A segunda dimensão é o plano em que encontramos a consciência das plantas, dos micróbios, bactérias, e todos os processos químicos que aqui têm lugar. Também é a dimensão em que encontramos os elementais (seres da natureza).
Todos os processos no nosso corpo dependem dessa segunda camada. É aqui que os códigos da vida foram definidos ao longo da evolução.
Estar em equilíbrio, alimentar-nos com a alimentação certa, é uma maneira de curar o nosso corpo, as nossas células e inclusivamente, recuperar o nosso ADN. São as plantas que alimentam o nosso corpo com a sua consciência – mesmo quando comemos carne, porque a carne só existe porque o animal comeu as plantas… A cura pelas ervas, fitoterapia, a alimentação ayurvédica ou macrobiótica, todas essas são aproximações que fazem com que a segunda dimensão possa estar harmoniosamente presente na nossa vida.
Os seres associados a esta dimensão são os elementais – formas energéticas, consciências que podem alteras a sua frequência de tal maneira que podem tomar várias formas: a brisa leve, umas gotas de água, calor… mas também podem tomar uma forma visível. Cada vez mais os seres humanos podem ver os elementais, seja como elfos, gnomos, fadas ou faunos; podem aparecer como salamandras ou mesmo como flashes de luz.

A terceira dimensão é a camada do nosso espaço linear, das nossas percepções sensoriais, da vida na terra e das suas relações. É a dimensão em que os Humanos se movem primariamente. É o plano das emoções, do instinto, das paixões, dos desejos e das aversões. Vivemos a maior parte do tempo nesta dimensão, que é uma realidade em grande parte criada a partir da consciência humana.
A terceira dimensão é o nível da autoridade e do poder. É nesta dimensão que somos vulneráveis para a manipulação das emoções e da informação, porque é nesta dimensão que foram criados os “programas”, formas de pensamento e ideias colectivos. Pensa em ideologias, religiões, crenças…tudo que defina a maneira em que olhamos para nós. Média, a política, lóbis, são as ferramentas usadas para manter o medo, a ira e o ódio activos: a terceira dimensão é a dimensão do Ego.

A maneira em que equilibramos as nossas emoções defina em que medida seremos capazes de nos libertar deste plano para mover-nos livremente nas outras dimensões, a fim de integrar os diferentes planos e criar saúde e harmonia.

A quarta dimensão é o reino do espírito, da consciência colectiva, dos antepassados. É como se fosse uma esponja que absorve tudo com que é alimentado: pensamentos, sentimentos… É o plano onde vivem as almas que não se libertaram ainda, e que funcionam como seres humanos: alimentam-se (com energia), têm emoções, até sentem e reagem emocionalmente. Mas também é o plano onde vivem os “animais totem” (spirit animals) e os antepassados espirituais, e onde permanecem guias fortes e importantes.

Os xamãs e curandeiros espirituais acedem a este plano para conseguir as suas curas; falam ou interagem com os espíritos que perturbem os sistemas dos seus pacientes, de maneira que são libertos e o corpo fica novamente na sua harmonia original.

Nesta dimensão estão colocadas programações colectivas: as crenças que fazem com que o ser humano acredita que é apenas aquilo que se encontra entre os pés e a cabeleira, e que a realidade é apenas aquela que pode ser percebida com os cinco sentidos. A ideia que somos pequenos perante os perigos, incapazes de nos proteger contra doenças resida aqui; o medo da morte e da doença, a ideia que somos dependentes das circunstâncias para nos sentir bem; que temos que recorrer à concorrência e luta para poder ter acesso a riquezas supostamente limitadas (alimentação, água limpa, medicação…) – tudo isso é constantemente repetido em pensamentos, palavras, expressões de vária ordem.
A quarta dimensão acaba por ser aquela manta de egrégoras, dividido entre o Bem e o Mal, que pode fazer com que ficamos presos à terceira dimensão, presos à ideia que não somos mais do que a nossa presença física e o Ego.
A quarta dimensão é regido pelos Annunaki.

A quinta dimensão é um reino de Luz, concentrado à volta do nosso coração. Nesta dimensão vivemos toda a força do AGORA. É o reino do amor, onde não existe a forma humana mais densa como conhecemos na terceira dimensão. É o plano onde deixamos para trás as noções do que se deve o não se deve fazer; o que é bom ou mal – também a superioridade e inferioridade deixam de fazer sentido neste plano.

Os Pleiadianos são os cuidadores deste plano; estes seres cuidam do Amor que mantém o Universo unido. No nosso coração podemos encontrar o universo inteiro; acedendo ao Coração, e entregando-nos ao Amor que aí encontramos, podemos aceder a essa dimensão.

Há ainda mais dimensões, que agora não elaboro mais detalhadamente (talvez num artigo próximo) como a dimensão das Leis – a consciência da geometria sagrada. Neste plano de consciência acedemos a todas as iniciações que alguma vez passamos; em conexão com esta dimensão podemos ter consciência da verdadeira Força de que dispomos. Outro plano é a dimensão em que podemos sentir a chamada Consciênca Divina: o plano em que sentimos que realmente somos Filhos do Criador, criadores por natureza.

O que nos libertará é no fundo a integração das dimensões. Cada plano pode ser vivido e experimentado, se pousamos aí a nossa atenção plena, com dedicação, paciência e curiosidade para observar o que existe aí. Ao tornar nos conscientes daquilo que se passa a cada plano, podemos libertar-nos das amarras das crenças, que nos mantém no 3D e integrar os outros planos na nossa existência.



Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...